quarta-feira, 31 de outubro de 2007



5 + 5


chega-me a batata quente da Rita. o que eu tenho em comum com a limão: sou péssima em tops (mas não de top, ok?), não sei determinar a ordem dos afectos, e o tempo é um grande desconstrutor por natureza. o que tenho em comum com o Pedro: do que, por impulso, me ocorre agora destacar, repito-lhe dois filmes.

Pulp Fiction | Quentin Tarantino
Lost Highway | David Lynch
Magnolia | Paul Thomas Anderson
In the mood for love | Wong Kar-Wai
Eternal Sunshine Of The Spotless Mind | Michel Gondry



ou porque não...?



2001, A space odyssey | Stanley Kubrick
25th Hour | Spike Lee
Fight Club | David Fincher
Lawrence of Arabia | David Lean
Casablanca | Michael Curtiz






Etiquetas: ,


posted by saturnine | 21:37 | 2 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

segunda-feira, 29 de outubro de 2007



us people are just poems


dizer de um livro:
como um corpo
carregando
a anatomia íntima
das palavras


era noite escura
tinha os pés frios
uma boca cravada sobre o esterno
na mesinha de cabeceira
a companhia incendiária de Al Berto
no chão a caixa vermelha
das preciosidades

um gesto imprudente atira
para o vazio
a minha aflição
desajeitada

caiu-me o Medo
para dentro do poço do coração.






Etiquetas: ,


posted by saturnine | 20:44 | 5 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

domingo, 28 de outubro de 2007



how do you say spoken word


yes,
us people are just poems
we're 90% metaphor
with a leanness of meaning
approaching hyper-distillation
and once upon a time
we were moonshine
rushing down the throat of a giraffe

yes, rushing down the long hallway
despite what the p.a. announcement says
yes, rushing down the long stairs
with the whiskey of eternity
fermented and distilled
to eighteen minutes
burning down our throats
down the hall
down the stairs
in a building so tall
that it will always be there
yes, it's part of a pair
there on the bow of noah's ark
the most prestigious couple
just kickin back parked
against a perfectly blue sky
on a morning beatific
in its indian summer breeze
on the day that america
fell to its knees
after strutting around for a century
without saying thank you
or please

and the shock was subsonic
and the smoke was deafening
between the setup and the punch line
cuz we were all on time for work that day
we all boarded that plane for to fly
and then while the fires were raging
we all climbed up on the windowsill
and then we all held hands
and jumped into the sky

and every borough looked up when it heard the first blast
and then every dumb action movie was summarily surpassed
and the exodus uptown by foot and motorcar
looked more like war than anything i've seen so far
so far
so far
so fierce and ingenious
a poetic specter so far gone
that every jackass newscaster was struck dumb and stumbling
over 'oh my god' and 'this is unbelievable' and on and on
and i'll tell you what, while we're at it
you can keep the pentagon
keep the propaganda
keep each and every tv
that's been trying to convince me
to participate
in some prep school punk's plan to perpetuate retribution
perpetuate retribution
even as the blue toxic smoke of our lesson in retribution
is still hanging in the air
and there's ash on our shoes
and there's ash in our hair
and there's a fine silt on every mantle
from hell's kitchen to brooklyn
and the streets are full of stories
sudden twists and near misses
and soon every open bar is crammed to the rafters
with tales of narrowly averted disasters
and the whiskey is flowin
like never before
as all over the country
folks just shake their heads
and pour

so here's a toast to all the folks who live in palestine
afghanistan
iraq

el salvador

here's a toast to the folks living on the pine ridge reservation
under the stone cold gaze of mt. rushmore

here's a toast to all those nurses and doctors
who daily provide women with a choice
who stand down a threat the size of oklahoma city
just to listen to a young woman's voice

here's a toast to all the folks on death row right now
awaiting the executioner's guillotine
who are shackled there with dread and can only escape into their heads
to find peace in the form of a dream

cuz take away our playstations
and we are a third world nation
under the thumb of some blue blood royal son
who stole the oval office and that phony election
i mean
it don't take a weatherman
to look around and see the weather
jeb said he'd deliver florida, folks
and boy did he ever


and we hold these truths to be self evident:
#1 george w. bush is not president
#2 america is not a true democracy
#3 the media is not fooling me
cuz i am a poem heeding hyper-distillation
i've got no room for a lie so verbose
i'm looking out over my whole human family
and i'm raising my glass in a toast


here's to our last drink of fossil fuels
let us vow to get off of this sauce
shoo away the swarms of commuter planes
and find that train ticket we lost
cuz once upon a time the line followed the river
and peeked into all the backyards
and the laundry was waving
the graffiti was teasing us
from brick walls and bridges
we were rolling over ridges
through valleys
under stars
i dream of touring like duke ellington
in my own railroad car
i dream of waiting on the tall blonde wooden benches
in a grand station aglow with grace
and then standing out on the platform
and feeling the air on my face

give back the night its distant whistle
give the darkness back its soul
give the big oil companies the finger finally
and relearn how to rock-n-roll

yes, the lessons are all around us and a change is waiting there
so it's time to pick through the rubble, clean the streets
and clear the air
get our government to pull its big dick out of the sand
of someone else's desert
put it back in its pants
and quit the hypocritical chants of
freedom forever

cuz when one lone phone rang
in two thousand and one
at ten after nine
on nine one one
which is the number we all called
when that lone phone rang right off the wall
right off our desk and down the long hall
down the long stairs
in a building so tall
that the whole world turned
just to watch it fall

and while we're at it
remember the first time around?
the bomb?
the ryder truck?
the parking garage?
the princess that didn't even feel the pea?
remember joking around in our apartment on avenue D?

can you imagine how many paper coffee cups would have to change their design
following a fantastical reversal of the new york skyline?!

it was a joke, of course
it was a joke
at the time
and that was just a few years ago
so let the record show
that the FBI was all over that case
that the plot was obvious and in everybody's face
and scoping that scene
religiously
the CIA
or is it KGB?
committing countless crimes against humanity
with this kind of eventuality
as its excuse
for abuse after expensive abuse
and it didn't have a clue
look, another window to see through
way up here
on the 104th floor
look
another key
another door
10% literal
90% metaphor
3000 some poems disguised as people
on an almost too perfect day
should be more than pawns
in some asshole's passion play
so now it's your job
and it's my job
to make it that way
to make sure they didn't die in vain
sshhhhhh....
baby listen
hear the train?


Ani DiFranco | Self evident



* * *


este é um post com música. para ser lido em silêncio.






Etiquetas: , ,


posted by saturnine | 23:56 | 2 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Spot Player Special


da sina de mulher de bandido: fazer avaliações automáticas de carácter, às primeiras impressões. acreditar que um gajo é interessante e de confiança quando

a) nos oferece um cigarro quando confessamos estar a deixar de fumar, e acabamos a citar o Tom Waits;
b) nos insulta poucas horas depois de nos conhecer;
c) usa Converse All Stars;
d) todas as anteriores.





Etiquetas: , ,


posted by saturnine | 14:16 | 18 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

sexta-feira, 26 de outubro de 2007



This little Black Lodge *


agora tem música à vontade de freguês. é prestar atenção ao novo leitor catita mesmo à frente dos vossos narizes. playlist bem recheada de canções outonais, assombradas, sublimes (ou um pequeno arquivo musical do little black spot, agora aberto ao público).

entretanto, importa referir que, não obstante o meu amor profundo aos discos de The National e Richard Hawley, o meu disco do ano será muito provavelmente algo inesperado - pela descoberta, pelo assombro, pela pele levantada em cada nota, pela ambiência melancólica mas poderosa que faz lembrar o Angelo Badalementi, se tivesse sido possuído por (outros) demónios. e lá se encontra uma das canções que falta na playlist (por falta de espaço): "Alleluia".




Odawas | Raven & The White Light


*presente do meu dealer habitual*






* referência twinpeakseana





Etiquetas: ,


posted by saturnine | 16:56 | 2 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Santuário: não há duas sem três


antes que se comece a suspeitar que este se tornou um blog religioso, esclareço já que este é um blog sem Deus, mas com deuses, e nas nossas orações dizemos: "in Norton we trust".

American History X: eu teria 19 anos e só saberia talvez que ia rever o puto com cara de boneca que fez o Exterminador Implacável (filme fétiche da minha pré-adolescência por causa da Linda "Bela e o Monstro" Hamilton e de Guns'n'Roses na banda sonora). eis que, sem qualquer pré-aviso, me surge isto:





duro, perverso, torcido, como um deus destituído emergindo do fundo do inferno. uma imagem que se me colou à retina e nunca mais me abandonou. de seguida, a imagem mais violenta que tenho memória de ver no cinema:









voluntarioso, implacável, demoníaco, um deus destituído. (acho particularmente curiosa a ironia do sinal "right turn only".) depois, a imagem mais crua que tenho memória de ver o cinema:









derrotado, ferido, humano. já não é um deus. é de novo um homem. duro, mas dúctil. resumindo, este gajo chega e parte logo a loiça toda. só mais tarde vi o "Everybody Says 'I Love You'", e não queria acreditar: este homem cresce e insufla-se ou retrai-se e desaparece conforme precisa, é uma singularidade, um ser esplêndido. e nós aqui amamo-lo com todo o coração, com todo o corpo.





Etiquetas: ,


posted by saturnine | 14:02 | 16 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

quinta-feira, 25 de outubro de 2007



A Santíssima Trindade




Edward Norton | Ryan Gosling | Joseph Gordon-Levitt




antes de escrever este post, não tinha ainda lido este post, nem este. não posso dizer, contudo, que me surpreenda a coincidência por vias travessas.
há quase 10 anos - desde o acutilante American History X - que Edward Norton é o meu actor preferido. foi-o instantaneamente, como um amor à primeira vista, reconhecido o signo da dureza, dos grandes silenciosos, capazes de quebrar pedra com o olhar. depois surge em Fight Club (durante muito tempo um dos meus filmes preferidos) e à dureza acrescenta-se a ductibilidade. não havia dúvidas na minha cabeça: Edward Norton instituíra-se como ícone da minha aproximação à idade adulta, enquanto actor mais talentoso de uma nova geração pós-Nicholson, pós-De Niro, pós-Pacino. e é um facto que durante estes 10 anos não houve quem tivesse corpo que o ensombrasse. nem mesmo DiCaprio, que aos poucos se afirma dentro do círculo das boas promessas. Norton leva sobre ele uma grande vantagem: é mais velho, nunca teve uma cara de boneca, e não tem um Titanic a limpar da sua reputação.
pela primeira vez, as promessas voltam a anunciar o signo da dureza dos grandes silenciosos. vejo-o mais em Joseph Gordon-Levitt do que em Ryan Gosling apenas porque conheço melhor um do que o outro, o que quer dizer muito pouco. toda a gente gosta de assistir ao nacimento de uma singularidade. a propósito de Edward Norton, posso esfregar as unhas no colarinho e dizer "eu estive lá". quanto aos outros dois meninos, bem... vou ali ver mais uns filmes e já venho.






Etiquetas: ,


posted by saturnine | 19:28 | 6 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Beauty remains in the impossibilities of the body #2


eu percebo porque o Joseph Gordon-Levitt é uma flor selvagem.





e porque é o progressivo polimento de uma pedra (preciosa) em bruto





há aqui uma dureza que não se aprende, com que se nasce ou não se nasce. um rosto vincado, um corpo que se move de uma determinada maneira, uma certa e particular inflexão na voz que vem ou não vem de um subterrâneo sentido. Joseph Gordon-Levitt cresceu bem. mas cresceu bem porque é feito da matéria das boas promessas.





é inquestionável que há ali qualquer coisa de muito sexual. é por isso que é uma flor selvagem. porque é tão belo quanto violento. é tão bonito. é como um deus. o que a mim me promete é ser o próximo


Edward Norton






Etiquetas: ,


posted by saturnine | 00:25 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

quarta-feira, 24 de outubro de 2007



Beauty remains in the impossibilities of the body *


há uma sequência de coisas que me comove, depois da mais francamente inédita e bonita e comovente e escandalosamente sexy cena homossexual masculina do cinema. a descoberta de um homem na cama de Ismaël: diz-se violenta a superação do amor morto? a cumplicidade de Alice: se o procuras a ele e não a mim, posso deduzir que o amas? ainda a cumplicidade de Alice: se te encontro cambaleante, embriagado de tristeza, a meio da noite, perdido na rua, perdido de ti, não vou contigo para a casa que já não é a minha - vou entregar-te ao cuidado daquele que te ama.




Louis Garrel & Grégoire Leprince-Ringuet | J'ai cru entendre


Mon petit depuis ce matin
J'ai trainé comme un cretin
Au niveau du caniveau
de Montparnasse à Chateau d'Eau
j'ai bu des verres, des verres, et puis des verres
Zubrowska, Riesling, Piper
À court de tout à bout de moi
Je suis revenu chez toi
Moi je voulais juste un corps
je cherchais seulement des bras
un lit de reconfort des délices sous les draps
mais hélas au lieu de ça


J'ai cru entendre Je t'aime
J'ai pensé c'est son problème
J'ai cru entendre je t'aime
J'ai pensé c'est son problème
Peu importe que tu y crois
Peu importe que je sois
À bout de moi
À court de tout
Mais pas de ça entre nous

Être un corps je suis d'accord
T'offrir mes bras pourquoi pas
Mon lit ok encore
pour rire a salir les draps
mais je crains que pour tout ça
Tu doives entendre je t'aime

Tu doives entendre je t'aime

Je suis vieux, veuf et sectaire
Un pauvre imbecile secretaire

Je suis beau, jeune et breton
Je sens la pluie, l'ocean et les crèpes au citron
Tais-toi un peu petit trésor
Tu as tout faux une fois encore
J'suis très precieux epargne moi
D'accord mais entre nous pas de ça
Être un corps je suis d'accord
Je cherchais seulement des bras
Mon lit ok encore
des delices sous les draps
Mais je crains que pour tout ça
Tu doives entendre...___________





______passagem instantânea para a categoria de clássico-imediato-de-beijo-mais-sexy-do-cinema. sim, ali junto ao célebre do Spiderman e da Kirsten Dunst.







* Einstürzende Neubauten





Etiquetas: , ,


posted by saturnine | 04:06 | 7 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Sex will tear us apart (again)


empresto-te o meu corpo
mas terás que tolerar ouvir-me dizer
que te amo

























saí do cinema perfeitamente encantada com "Les Chansons d'Amour". não foi uma epifania, mas foi uma fosforescência suficiente para reviver Songs:Ohia - i cannot have seen the light_ i thought i saw the light_ i saw the light_______.

___________já amaste só pela beleza do gesto de amar? amar como se em cada corpo houvesse sexo, mas não género. aceitar um corpo que se nos oferece como um bálsamo, como quem trinca um fruto delicioso. mas o fruto alberga um bicho que nos sai pela boca e nos devora o cérebro. tenho um coração ressequido. onde ela me morreu, tu terás que entrar para matá-la outra vez. poderá o teu corpo salvar-me desses amores indigestos? poderá o teu corpo proteger-me como uma torrente de lava?



empresto-te o meu corpo
mas terás que tolerar ouvir-me dizer
que te amo



*ama-me menos, mas ama-me durante mais tempo*






Etiquetas: , ,


posted by saturnine | 03:09 | 5 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Sex & Mayhem *


sex: por coisas destas é que nos poderíamos eventualmente lamentar dos blogs sem caixa de comentários.


mayhem: o que eu gosto na Secret Meeting dos National é a ambiguidade semântica do verso "I'm so sorry I missed you": pode ser que lamente termo-nos desencontrado. mas também pode ser que te peça desculpa por sentir tanto a tua falta. Marlene Dietrich's Favourite Poem [Peter Murphy] all over again: "forgive me please for hurting so, don't go away heartbroken, no".



* The Devastations





Etiquetas: ,


posted by saturnine | 01:48 | 6 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

segunda-feira, 22 de outubro de 2007



Dance me til the end of love


a saber, fui mesmo .




eu, que acredito que na dança reside a salvação do corpo. à entrada, despimo-nos dos nomes. o meu nome nada diz de quem sou, ali, naquele momento: a minha identidade é o meu corpo. somos estranhos e somos cúmplices. passamos a ser só braços, pontas de pés, por vezes rosto. é verdade que a início não se sabe o que fazer a mãos e pés. olhar de espanto: para que serve o meu corpo? assim, a iniciação é como um crescimento: aprender a ter um corpo, adquirir consciência do corpo, aprender a usar um corpo. a música comanda. subtilmente, encaminha cada coisa para o seu lugar. é verdade que contemplei muito mais do que rodopiei - mas rodopiar é bom, e será certamente uma das chaves da felicidade. é verdade que não se sabe do mundo enquanto se rodopia. é verdade que não se sabe quem roda, quem pára, quem cai. é verdade que há na dança - nesta forma de dançar - uma entrega silenciosa a uma intimidade comovente que não se percebe senão na visão dos corpos encostados, de olhos fechados, a desenhar um movimento conjunto, leve, perfeito.

aquilo de que eu gostei foi da promiscuidade: no círculo, entregar o corpo ao sabor da música, andar de mão em mão, de homem para homem, até que o rodopio se traduza no riso. e a mim fizeram-me rodar quase até não conseguir ter os pés do chão, obrigaram-me a perder a teimosia de ir para onde quero - o corpo também serve para ser conduzido, tocado como um instrumento, e eu tenho que abandonar o meu corpo àquele que sabe para onde ele deve ir.
ouvir "olha-me nos olhos. olha-me nos olhos senão cais" e saber: "se esta mão, se este braço falha eu caio mesmo, caio desamparada, caio para sempre, mas a mão não falha, este braço não larga, não cairei jamais". e rodopiar então como se não houvesse amanhã, para além da respiração e da transpiração. perdidos no sussurro da concertina. diz-se tanto, falando tão pouco.






Etiquetas:


posted by saturnine | 19:49 | 7 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


O ponto de vista dos demónios #28


a partir do centro
abre-se no peito
uma caverna circular:
é a flor nocturna que desabrocha
ou aquele bicho estimado
que rói
morde
desgasta
a carne em seu redor?






Etiquetas: ,


posted by saturnine | 05:08 | 5 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Qualquer coisa sobre os homens


todo o homem, em alguma circunstância da sua vida, é parvo ou bandido. no tempo que resta, é possível enamorarmo-nos. é importante partir de duas premissas: people just ain't no good¹ e people are tricky². basicamente, a gente não presta. ainda assim, há homens que são como singularidades. é possível amar qualquer coisa não descrita, inesperada, sem tempo. amar aquele que foi parvo, que foi bandido, redimido por causa de um gesto - porque há gestos que são como epifanias camufladas.

tenho na minha cabeceira um livro com o título "Se nos encontrarmos de novo", num momento em que é já passado o tempo de qualquer reencontro. um livro que amo e odeio, que me arrasa - pelo insólito - ao primeiro parágrafo (a Ana Teresa Pereira tem o dom de arrasar com espantosos primeiros parágrafos): «Talvez seja possível amar uma mulher por causa de um livro, deum poema sublinhado, de um filme a preto e branco, de uma casa, do olhar de um homem quando fala dela, da forma como o seu cão a espera.» talvez seja possível promover um homem de parvalhão a cúmplice por causa de um poema muito acertado.




¹ Nick Cave
² Aimee Mann





Etiquetas: , , , ,


posted by saturnine | 03:53 | 3 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Sex will tear us apart


ela: se eu te emprestar o meu corpo, prometerás que o acarinharás e cuidarás como se fosse único, precioso, alheio a todos os outros corpos do mundo?
ele: prometo.
ela: e que no fim de tudo me dobrarás com jeito e afecto e me devolverás ao sossego de uma gaveta perfumada?
ele: sim, isso também.

no fim de contas, a cautela pode, mas raramente ajuda. o corpo emprestado acabou esquecido, pendurado no bengaleiro ao lado da porta da rua.





este é um post que, parecendo que não, tem Joy Division e Fiona Apple.





Etiquetas: ,


posted by saturnine | 03:38 | 3 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Para aprender a morrer


é possível que finalmente tenha percebido o deslumbramento da "Secret Meeting" * dos National, que até agora nunca fora propriamente das minhas canções preferidas deles: se ontem sentia - terrivel e urgentemente - a tua falta, não é que hoje não a sinta mais; sinto. mas doravante só no lado b do meu cérebro.






* I'm so sorry I missed you
I had a secret meeting in the basement of my brain"

The National






Etiquetas: , ,


posted by saturnine | 03:28 | 4 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

domingo, 21 de outubro de 2007



O ponto de vista dos demónios #27


aquele velho canto escuro
que tudo sabe tudo vê
espreita
a amálgama nervosa de um peito
dorido habitáculo
de uma flor nocturna

o seu olho agudo
conhece
o lugar exacto do medo
_e o peito desaba
a partir do centro_

a esponja vermelha da espera
suga devora engole
o corpo inteiro
a partir do esterno.






Etiquetas: , ,


posted by saturnine | 05:24 | 7 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Story of my life, so far



posted by saturnine | 04:01 | 5 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

sábado, 20 de outubro de 2007



O ponto de vista dos demónios #26


quando o absoluto desconhecido avança noite dentro, cavalgando o insólito inesperado, e nos salva: como uma mão a procurar o corpo sob as camisolas, ou um ombro, a oferecer pouso a uma cabeça. a graça do desconhecido. a graça do inesperado. a graça das dedicatórias. num dos lugares mais doridos da existência, O Medo foi meu livro de cabeceira.



Conheci um homem que possuía uma cabeça de vidro.
Víamos - pelo lado menos sombrio do pensamento - todo o sistema
planetário.
víamos o tremelicar da luz nas veias e o lodo das emoções na ponta dos
dedos. O latejar do tempo na humidade dos lábios.
E a insónia, com seus anéis de luas quebradas e espermas ressequidos. As
estrelas mortas das cidades imaginadas.
Os ossos [tristes] das palavras.

A noite cerca a mão inteligente do homem que possui uma cabeça
transparente.
Em redor dele chove.
Podemos adivinhar uma chuva espessa, negra, plúmbea.
Depois, o homem abre a mão, uma laranja surge, esvoaça.
As cidades (como em todos os livros que li) ardem. Incêndios que
destroem o último coração do sonho.
Mas aquele que se veste com a pele porosa da sua própria escrita olha,
absorto, a laranja.

A queda da laranja provocará o poema?
A laranja voadora é, ou não é, uma laranja imaginada por um louco?
E um louco, saberá o que é uma laranja?
E se a laranja cair? E o poema? E o poema com uma laranja a cair?
E o poema em forma de laranja?
E se eu comer a laranja, estarei a devorar o poema? A ficar louco?
[...]
E a palavra laranja existirá sem a laranja?
E a laranja voará sem a palavra laranja?
E se a laranja se iluminar a partir do seu centro, do seu gomo mais
secreto, e alguém a [esquecer] no meio da noite - servirá [o brilho] da
laranja para iluminar as cidades há muito mortas?
E se a laranja se
deslocar no espaço
- mais depressa que o pensamento, e muito mais devagar que a laranja
escrita
- criará uma ordem ou um caos?

O homem que possui uma cabeça de vidro habita o lado de fora das
muralhas da cidade.
Foi escorraçado.
[E] na desolação das terras, noite dentro, vigia os seus próprios sonhos
e pesadelos. Os seus próprios gestos - e um rosto suspenso na solidão.

Onde mora o homem que ousou escrever com a unha na sua alma, no seu
sexo, no seu coração?
E se escreveu laranja no coração, a alma ficará saborosa?
E se escreveu laranja no sexo, o desejo aumentará?

Onde está a vida do homem que escreve, a vida da laranja, a vida do
poema - a Vida, sem mais nada - estará aqui?
Fora das muralhas da cidade?
No interior do meu corpo? ou muito longe de mim - onde sei que possuo
uma outra razão... e me suicido na tentativa de me transformar em poema
e poder, enfim, circular livremente.


Al Berto






Etiquetas: , ,


posted by saturnine | 05:40 | 6 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


O ponto de vista dos demónios #25


na insónia, compensa ter o benefício dos livros. não acender a luz, não mover um único músculo, não arrancar o corpo ao entorpecimento da queda. ter, no silêncio, a memória de qualquer coisa extraordinária.





Etiquetas: ,


posted by saturnine | 04:56 | 2 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

quinta-feira, 18 de outubro de 2007




THIS IS SPARTA!







ainda sem ter lido de uma ponta à outra a BD homónima de Frank Miller, e mesmo sendo grande fona de uma certa forma de dar vida às imagens, com exuberantes excessos sanguinários, posso dizer que teria gostado mais de um 300 menos hollywoodesco em certos planos, com menos gore na caracterização (leia-se 'menos bijuteria'), menos monstros e criaturas místicas.
ainda assim, é um filme que serve o seu propósito, e eu não posso deixar de confessar que me deixou satisfeita: como poderia não valer a pena um filme que nos permite ver 300 homens garbosos, espartanos, de perfil adonisino e abdominais perfeitamente definidos, combater em cuecas?










..............................................................





lado B: os meus postais de Natal este ano seguirão a tendência Gerald Butler.








Etiquetas:


posted by saturnine | 18:46 | 7 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


The moment history is made #2


ando geralmente tão descompassada do ritmo natural do mundo que, na maioria das vezes, só me apaixono quando toda a gente já se ocupa do movimento inverso de desenamoramento. por isso é que raramente apanho as modas na estação correcta, e por isso é que só 3 anos depois do hype de 2004 me dedico a ouvir The Arcade Fire com atenção. e estava tão difícil de conseguir que o meu pássaro azul me trouxesse as faixas todas do recente "Neon Bible", que cheguei mesmo a pensar que era um sinal cósmico de como o universo me estava a preservar, na sua obscura lógica própria, do mal pela ignorância. mas afinal não. (ainda) não morri de amores, mas acredito que possa enamorar-me mais com o tempo, se a música crescer (e constatem se esta é ou não é a metáfora mais sexual de sempre). não posso é deixar de mencionar que, se eventualmente morrer de amores, este terá sido o ponto de entrada do veneno:



MY BODY IS A CAGE

(...)
My body is a cage
We take what we're given
Just because you've forgotten
That don't mean you're forgiven

I'm living in an age
That screams my name at night
But when I get to the doorway
There's no one in sight

_My body is a cage that keeps me
From dancing with the one I love
But my mind holds the key_


You're standing next to me
My mind holds the key

Set my spirit free________



............................................................................



If that's what's not fair, then what could be wrong with my life?
o lado b deste post, deixa um conselho: se sabem o que é bom para vocês, irão daqui ouvir The Annuals. um caso típico de amor à primeira vista. mas se tiverem dúvidas, olhem (e ouçam) outra vez.





Etiquetas: ,


posted by saturnine | 15:01 | 23 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

terça-feira, 16 de outubro de 2007



Mid-autumn philosophy



posted by saturnine | 23:37 | 10 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


The moment history is made


não consigo concentrar-me para ouvir o novo disco dos Radiohead no meio de tanta histeria. hei-de esperar que a turba acalme e ouço-o depois, sem ruído de fundo. enquanto isso, porque o coração não sossega, e porque também a mim coisas muito feias me ofendem, entretenho-me a imaginar a minha própria embalagem para o produto que hei-de adquirir em formato digital, por download legal.








Etiquetas: ,


posted by saturnine | 23:35 | 21 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

domingo, 14 de outubro de 2007



The altar to the mighty gods


para que não restem dúvidas, este é mesmo o homem-mais-bonito-do-mundo:


Peter Murphy





o que em nada invalida que este também seja o homem-mais-bonito-do-mundo:


Jude Law






Etiquetas:


posted by saturnine | 18:55 | 11 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Batman returns: post-homenagem


The transformation is invested
With the mysterious and the shameful
While the thing I am becomes something else
Part character part sensation




Bauhaus
Mask | Telegram Sam



o ano de 1979 trouxe, entre muitas outras coisas boas, os Bauhaus. era ainda o tempo da guerra fria e da cortina de ferro. a despreocupação estética do punk dava lugar a uma nova valorização de estilos e conceitos neo-românticos e depressivos. a inspiração em filmes de 'terror' como Drácula fecundou a criação de temas como Bela Lugosi's Dead, que acabou por se tornar uma espécie de hino e fazer com que fossem considerados um dos fundadores da cena rock-gótico nos anos '80. emergindo num estilo experimental, minimalista, com uma forte tónica na teatralidade, coroado pelo assombro da voz do Peter Murphy (a.k.a. o homem mais bonito do mundo), basicamente este é o rock de que eu gosto. e há uma grande vantagem em não ser de bom tom (leia-se indie-intelectualoidemente correcto) gostar de Bauhaus - é garantia de sanidade, de pertença a um lugar que é só meu, música limpa, não infectada de memórias e seus demónios. Behold: the shadow is cast.








Etiquetas: ,


posted by saturnine | 16:10 | 6 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Ouvido de passagem:


- Para que serve o Last.fm?
- Serve para saber a música que mais gosto de ouvir.



descobri entretanto que o Last.fm, esse amigo orwelliano, também me serve para saber que

# eu e os meus amigos que gostamos de ouvir as mesmas coisas não gostamos de ouvir as mesmas coisas;
# desde que passei a ouvir The National obsessivamente passei a ser 14,50% mainstream, mais 2% do que quando ouvia obsessivamente Patrick Wolf;
# 85% de mim ouve música de 'grandes categorias' e 15% de mim ouve música de 'outras categorias';
# a lista de categorias da música que ouço inclui coisas como shoegaze, jagjaguwar, dream pop e kuduro progressivo;
# afinal sou mesmo uma indie snob, comprovado pelos cerca de 30% do meu total de audições monitorizadas, apenas ameaçados pelos cerca de 20% dos meus desgraçadinhos solitários de guitarra na mão.





Etiquetas: ,


posted by saturnine | 13:35 | 2 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

sexta-feira, 12 de outubro de 2007



Meeting people is easy *


há pessoas que fazem tanto sentido quando pensadas em conjunto, que se começa a pensar como seria se se encontrassem efectivamente juntas. e eu sei, por exemplo, que há um reconhecimento latente que poderia, quiçá, servir de preâmbulo a um quase instantâneo love @ first site - ainda que fosse só eu que conseguisse superficialmente percebê-lo. portanto, numa continuada dedicação ao serviço público, agora numa versão de cosmic matchmaker: Paulo, este é o João, João este é o Paulo.




* Radiohead





Etiquetas: ,


posted by saturnine | 17:26 | 18 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Um lugar onde pousar a cabeça


não será certamente por acaso que esta frase do Henri Michaux - que é francês, parisiense de gema - designe para mim o sentimento de pertença. e que seja, por conseguinte, a perfeita legenda para uma sugestão que decidi seguir:



You Belong in Paris

You enjoy all that life has to offer, and you can appreciate the fine tastes and sites of Paris.
You're the perfect person to wander the streets of Paris aimlessly, enjoying architecture and a crepe.






Etiquetas: ,


posted by saturnine | 14:58 | 8 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Now it's dark


ou uma certa forma de serviço público: menina limão, assim se entra em Twin Peaks. não tenho a menor sombra de dúvida que foi isto que fez de mim aquilo que sou, mais que qualquer outra coisa. antes dos 12 anos, subitamente, David Lynch povoava todo o meu imaginário pré-adolescente. há tempos escrevi que quando se é ainda criança, há tantas coisas a que não se sabe dar nome. como o medo. ou uma certa forma de tristeza, uma queda para a melancolia, uma angústia injustificada, sem origem. para todas estas coisas que eu não tinha nome, eu tinha um nome: Laura Palmer. um nome que resumia, sem precisar de palavras ou divagações, toda a tristeza do mundo.
não eram fáceis, os lugares a que Twin Peaks conduzia. mas eram familiares e fascinantes: como a possibilidade de um lugar a que pertencer, todo aquele que se sente demasiado estranho para este mundo; como o conforto que Gregor Samsa certamente sentiria se a qualquer momento se visse a habitar um mundo inteiro de pessoas feitas barata. o reconhecimento no que é estranho e bizarro, onde a realidade nem sempre se distingue, não precisa de ser nomeado. ainda que a idade adulta nos ensine a ter nomes para as coisas:


"I like darkness and confusion and absurdity, but I like to know that there could be a little door that you could go out into a safe life area of happiness."

David Lynch



e a música. a música, foda-se. Angelo Badalamenti e Julee Cruise, directamente para o reservatório do coração. fica atenta, limão. não te descreverei um caminho. dar-te-ei a mão e percorrê-lo-ei contigo. e espancar-te-ei se te atreveres a não morrer imediatamente de amor.







Etiquetas: ,


posted by saturnine | 01:40 | 10 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


OMG OMG OMG!


as maravilhas do MySpace: eu já nem menciono o disparate de emoção que é um aviso como "Jeff Buckley is online". mas algo definitivamente precisa ser dito sobre o facto de ter recebido no meu MeuEspaço um comentário dos American Music Club. e sobre o facto de admitirem que é uma honra - sim, uma honra! - eu querer ser amiga deles. portanto, aqui vai: beat that, losers!





Etiquetas: ,


posted by saturnine | 00:35 | 5 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

terça-feira, 9 de outubro de 2007



The ballad of broken men (and I am also a broken man¹)


foi o Townes Van Zandt - ou o documentário "Be Here to Love Me" - que me levou até à imagem persistente do botão que é apertado: o filho mais velho, em entrevista posterior à morte do pai, testemunha que ele era aquele tipo de gajo fodido que conhecia muito bem os botões mais frágeis de cada pessoa. e depois apertava-os com muita força. ¤
o melhor de uma ideia é quando é suficientemente táctil para imprimir-se de imediato na memória segundo a clareza das imagens. algo se me afigurou absolutamente claro e evidente nesse momento: a metáfora do corpo enquanto acordeão. todo ele maleável, respiratório, coberto de botões à espera de ser apertados, para que através da música se afirme a sua razão de ser.
uma ideia persistente é também uma ideia resistente, que nunca cessa de (re)construir-se em pano de fundo. uma ideia fértil é uma ideia sem fim à vista. à semelhança da comida que fica a trabalhar no estômago (de certeza explorada e mal paga), a mim ficam-me as ideias a trabalhar na cabeça, gerando imagens sucessivas.
a tal ponto que eu, que como a Ramona A. Stone² sou uma artista e que, como tal, persigo métodos de investigação puramente intuitivos, líricos, caóticos, e que, por conseguinte, não percebo nada de métodos científicos (triste sorte!), me sinto quase capaz de anotar evidências e enumerar a Primeira Lei da Metáfora do Corpo Enquanto Acordeão:


primeira evidência: o pedal da embraiagem, quando pressionado com o pé, apenas desembraia o motor, permitindo mover a alavanca da caixa de velocidades; é apenas quando é libertado da pressão do pé que se processa a embraiagem do motor, passando a efeito a acção de mudança de velocidade;

segunda evidência: perante um ferimento de bala, ou semelhante, frequentemente o corpo humano alberga essoutro corpo estranho como garantia de sobrevivência, mantendo a vida sustentável num precário equilíbrio; é no momento da extracção do corpo estranho que se desencadeia a hemorragia que poderá ser fatal ao corpo humano que o alberga.

terceira evidência: no caso de alguns botões - como os que servem a função de ligar e desligar electrodomésticos diversos, como os rádios e televisores -, a pressão por si só não opera qualquer efeito no aparelho; a acção pretendida de ligar/desligar o aparelho só produz efeito no momento em que o respectivo botão é largado.


Primeira Lei da Metáfora do Corpo Enquanto Acordeão: a infelicidade, a dois, é uma forma deficiente e imperfeita da felicidade. o que dói não é o que tu me fazes - enquanto fazes, afirmas-te presente; é quando te vais embora, quando removes o dedo do botão que sustenta o caudal hemorrágico da minha ferida, que passa a doer o que tu me fizeste - afirmação pretérita da tua ausência.






© Tim Burton




¹ Segue: Algeria Touchshriek | David Bowie, Outside
² Segue: Ramona A. Stone | David Bowie, Outside






Etiquetas: , , ,


posted by saturnine | 00:18 | 15 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

sábado, 6 de outubro de 2007



Too much heaven on their minds



Jesus Christ Superstar | Tim Rice + Andrew Lloyd Webber



esta semana, o dever familiar obrigou-me a acompanhar uma criança de 8 anos ao Rivoli para ver o infame Jesus Cristo Superstar do La Féria. confesso que cheguei a pensar que poderia não ser muito mau, após a entrada de um Judas cheio de groove, que não fica a dever assim tanto ao Carl Anderson. mas depois entrou em cena o JC.* ao fim de 5 minutos a vê-lo e ouvi-lo, contorcendo-me na cadeira em franco sofrimento, dei por mim a pensar que o inferno é de facto um lugar na terra.
acreditem que vale a pena ver, só pelo facto de ser tão difícil descrever o quão mau é. e acreditem também que isto me dói fundo nas entranhas, porque eu nasci numa família de groupies do Jesus Christ Superstar original e toda a minha vida amei de coração aberto este musical. um JC mais fraquinho no contexto do elenco de 1973 ainda assim é muito melhor do que este que La Féria escolheu para assumir o papel. e é uma pena, nota-se que o rapaz tem uma capacidade vocal extraordinária, certamente rara, capaz de arrepiar os pelinhos dos braços ora em tons baixos, gravíssimos, ora em tons agudos, vibrantíssimos. o problema é tudo o que ele faz pelo meio: as subidas e descidas vertiginosas, qual sirene de ambulância, armado em Celine Dion, os esgares excessivamente dramáticos e artificiais, que ficariam mal à própria Dama das Camélias, os trejeitos (vocais e faciais) excessivos que faziam acreditar que a qualquer momento irromperia de dentro dele a Dulce Pontes a cantar a "Canção do Mar", o excesso emotivo nos agradecimentos a la Amália Rodrigues, tudo me faz acreditar que no fundo este rapaz nasceu para ser uma diva. só que teve o azar de lhe darem o papel errado.

no meio disto tudo, eis o que torna o sacríficio verdadeiramente merecido: a criança de 8 anos, prestes a celebrar a sua primeira comunhão, depois do espectáculo deixa escapar o seguinte comentário: "isto deixou-me a pensar que não sei se quero voltar à igreja". gotta love it!



* um deles, uma vez que o papel é alternadamente assumido por dois actores diferentes.





esta seria a música que eu cantaria, se um dia me apanhassem num karaoke:







Etiquetas: , , ,


posted by saturnine | 15:13 | 15 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Em vagas, como a respiração


ao longo dos tempos, só uma (exteriormente) imperceptível respiração interna permitiu uma sustentação ritmada na desordem, e o crescimento de uma certa forma de escrita - ou devo dizer antes expressão? - enquanto exercício lírico-estético-acessório-whatever. não sei existir senão em permanente metamorfose - e será apenas por isso que por estes dias o leitor desatento poderia confundir este com um blog de música. e porque eu não quereria defraudar os mal-entendidos de ninguém, prossigo: isto vai para aqui uma grande confusão. definitivamente Cat Power fala-me ao coração. mas hoje, ao ouvir pela primeira vez a banda sonora de Speaking for Trees, absolutamente encantada, não consigo deixar de pensar que estou a ouvir a Fiona Apple. não me vou aventurar nas explicações, porque isto é certamente coisa da minha cabeça (curiosamente, a Fiona diria "he said it's all in your head, and I said so's everything") sem justificação possível. o que é absolutamente certo é que

a) Willie Deadwilder preenche (os únicos) 18 minutos desta banda sonora de Speaking for Trees e é tão belíssima quanto imprescindível;

b) há qualquer coisa de comum entre a Chan e a Fiona e eu provavelmente poderia resumi-lo numa única magnífica designação: Extraordinary Machine.



o que eu gosto é do potencial simbólico de extraordinary machine enquanto metáfora do corpo: numa perspectiva da anatomia, e numa perspectiva dos afectos. portanto, extraordinary machine enquanto anatomia dos afectos. quando a Fiona canta "be kind ot me or treat me mean/ I'll make the most of it, I'm an extraordinary machine" é quase como quando o Bill Callahan afirma: "I am a rock bottom riser". o que me leva a crer que - alerta para o segundo cliché do dia! - isto anda tudo ligado. um corpo que arde, falha e dói, e mesmo assim se maravilha, perante o assombro do mundo. espanto perante o milagre da sobrevivência. o sacrifício da sobrevivência. quem regressa, é sempre outro - já não volta, vem de novo.






Etiquetas: , ,


posted by saturnine | 13:34 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

sexta-feira, 5 de outubro de 2007




I'm a good girl, but my love is all wrong #3
Queda





dissolução dedicada












de nenhum fruto queiras só metade.
.










Fiona Apple
O' Sailor | Oh Well






Etiquetas: ,


posted by saturnine | 17:12 | 2 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



I'm a good girl, but my love is all wrong #2
Ascensão




resolução


© Kurt Halsey





so FUCK YOU and your untouchable face.








Ani DiFranco
Untouhable Face | 32 Flavors






Etiquetas: , ,


posted by saturnine | 16:12 | 2 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



I'm a good girl, but my love is all wrong #1
Reconhecimento



afirmação





I've got a right to sing the blues.




Billie Holiday | Long Gone Blues


Talk to me baby
Tell me what's the matter now
Tell me, baby what's
the matter now?
Are you tryin' to quit me, baby
But you don't know how

I've been your slave
Ever since I've been your babe
I've been your slave
Ever since I've been your babe
But before I see you go
I see you in your grave

I'm a good gal
But my love is all wrong
I'm a good gal
But my love is all wrong
I'm a real good gal
But my love is gone






Etiquetas: ,


posted by saturnine | 15:12 | 6 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

quarta-feira, 3 de outubro de 2007



Tangerinas à solta




cof cof cof

- podendo, é ir. -






Etiquetas:


posted by saturnine | 18:25 | 3 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Sushi Baby





da primeira vez que me levaram a um restaurante japonês para provar o tão fashionable sushi, saí de lá tão enjoada e enojada que parece que andei por aí a dizer que me quiseram matar. a repugnância provocada pela estranheza fez-me rejeitar a comida, o tabaco e os afectos. o que eu não compreendia então é que se tratava apenas do primeiro passo num lento (mas ritmado) processo de purificação: há que preparar o corpo para as mudanças profundas, sem hábito (e sem purgante) não há sofisticação.

acontece agora que sou dada a excentricidades várias com o sushi. não só me tornei uma fã incondicional, como o descobri quando se me começaram a assombrar os sonhos. sim, passei a dormir e a acordar com súbitos desejos de comer sushi, que se desenvolvem para ímpetos irresistíveis aos quais não posso senão obedecer (com muito, muito prazer). o meu corpo passou a pedir-me sushi, e o requinte do alimento consiste na vivacidade com que acedem à memória a textura, o aroma, a suavidade, a delícia. e não só: não é todos os dias que se tem sobre a mesa um autêntico exercício estético, quase artístico.





completamente ultrapassada a questão de se tratar pontualmente de peixe cru - transformado o alimento em substância mágica, alquímica, demasiado perfumada e deliciosa para ser coisa designável deste mundo -, a minha boca reproduz na perfeição a memória do prazer e não me permite esquecer a vontade por saciar. dizem as lendas urbanas que este enamoramento acontece porque a preparação da comida é feita com certos elementos viciantes mas nocivos. não sei que elementos viciantes são esses, mas sei que são extremamente nocivos para a minha carteira. portanto, é a partir de agora meu objectivo de vida encontrar quem me sustente as excentricidades alimentares e me leve a jantar ao japonês no mínimo uma vez por semana. quem quer dar sushi à carochinha?






Etiquetas: ,


posted by saturnine | 03:14 | 14 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


ensaio: despir a pele


agora tu vais, e leva o coração nos mãos. protege-o das intempéries, que se avizinha o frio do inverno e a chuva não é um lugar feito para os músculos cardíacos. vais e depois, quando eu olhar para as tuas costas à distância, terás partido para sempre - eu que fingi não estar quando a tua sombra assomou à soleira da minha porta. vais e não mais teremos um céu que nos cubra aos dois, nem a norte nem a sul. vais, porque o nosso tempo acabou, muito cedo foi tarde demais, e esse coração que levas na mão não resistirá ao frio e à chuva, mais um ano ou dois em silêncio, até que eu sofra de novo o inconveniente de lembrar-te.

estou a aprender. mas ainda só os mortos sabem morrer.





Etiquetas: , ,


posted by saturnine | 02:59 | 3 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

terça-feira, 2 de outubro de 2007




Crónicas do teleplágio tal como ele é #1
some spooky shit ou quando a (súbita) saudade aperta - em uníssono




we loves you, Chan







o teleplágio é uma coisa tão séria e funciona tão impecavelmente que agora não chega sequer a decorrer com lag inter-post. ao vivo e em directo, great minds thinking alike:



clique e faça pudins


Once I wanted to be the greatest
No wind of waterfall could stall me
And then came the rush of the flood
Stars of night turned deep to dust


Cat Power






Etiquetas: , , ,


posted by saturnine | 22:36 | 8 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


An offer you couldn't refuse






neste blog levamos a auto-estima muito a sério


© http://www.garfield.com






Etiquetas: , ,


posted by saturnine | 21:43 | 9 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Purring post-monday medley




the personal favourite




getting in the mood




the permanent mood




just one of those days




really nasty wake-up mood




the knights-who-say-NI! syndrome




com dedicatória

© http://www.garfield.com






Etiquetas: , , ,


posted by saturnine | 02:15 | 2 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

spot player special




"us people are just poems"
[ani difranco]


*

calamity.spot[at]gmail.com



~*. through the looking glass .*~




little black spot | portfolio
Baucis & Philemon | tea for two
os dias do minotauro | against demons
menina tangerina | citrus reticulata deliciosa
the woman who could not live with her faulty heart | work in progress
pale blue dot | sala de exposições
o rosto de deus | fairy tales








---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


~*. rearview mirror .*~


Maio 2003 . Junho 2003 . Julho 2003 . Agosto 2003 . Setembro 2003 . Outubro 2003 . Novembro 2003 . Dezembro 2003 . Janeiro 2004 . Fevereiro 2004 . Março 2004 . Abril 2004 . Maio 2004 . Junho 2004 . Julho 2004 . Agosto 2004 . Setembro 2004 . Outubro 2004 . Novembro 2004 . Dezembro 2004 . Janeiro 2005 . Fevereiro 2005 . Março 2005 . Abril 2005 . Maio 2005 . Junho 2005 . Julho 2005 . Agosto 2005 . Setembro 2005 . Outubro 2005 . Novembro 2005 . Dezembro 2005 . Janeiro 2006 . Fevereiro 2006 . Março 2006 . Abril 2006 . Maio 2006 . Junho 2006 . Julho 2006 . Agosto 2006 . Setembro 2006 . Outubro 2006 . Novembro 2006 . Dezembro 2006 . Janeiro 2007 . Fevereiro 2007 . Março 2007 . Abril 2007 . Maio 2007 . Junho 2007 . Julho 2007 . Agosto 2007 . Setembro 2007 . Outubro 2007 . Novembro 2007 . Dezembro 2007 . Janeiro 2008 . Fevereiro 2008 . Março 2008 . Abril 2008 . Maio 2008 . Junho 2008 . Julho 2008 . Agosto 2008 . Setembro 2008 . Outubro 2008 . Novembro 2008 . Dezembro 2008 . Janeiro 2009 . Fevereiro 2009 . Março 2009 . Abril 2009 . Maio 2009 . Junho 2009 . Julho 2009 . Agosto 2009 . Setembro 2009 . Outubro 2009 . Novembro 2009 . Dezembro 2009 . Janeiro 2010 . Fevereiro 2010 . Março 2010 . Maio 2010 . Junho 2010 . Julho 2010 . Agosto 2010 . Outubro 2010 . Novembro 2010 . Dezembro 2010 . Janeiro 2011 . Fevereiro 2011 . Março 2011 . Abril 2011 . Maio 2011 . Junho 2011 . Julho 2011 . Agosto 2011 . Setembro 2011 . Outubro 2011 . Janeiro 2012 . Fevereiro 2012 . Março 2012 . Abril 2012 . Maio 2012 . Junho 2012 . Setembro 2012 . Novembro 2012 . Dezembro 2012 . Janeiro 2013 . Janeiro 2014 .


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


~*. spying glass .*~


a balada do café triste . ágrafo . albergue dos danados . almanaque de ironias menores . a natureza do mal . animais domésticos . antologia do esquecimento . arquivo fantasma . a rute é estranha . as aranhas . as formigas . as pequenas estruturas do ócio . atelier de domesticação de demónios . atum bisnaga . auto-retrato . avatares de um desejo . baggio geodésico . bananafish . bibliotecário de Babel . bloodbeats . caixa-de-lata . casa de cacela . chafarica iconoclasta . coisa ruim . com a luz acesa . comboio de fantasmas . complicadíssima teia . corpo em excesso de velocidade . daily make-up . detective cantor . dias com árvores . dias felizes . e deus criou a mulher . e.g., i.e. . ein moment bitte . em busca da límpida medida . em escuta . estado civil . glooka . i kant, kant you? . imitation of life . isto é o que hoje é . last breath . livros são papéis pintados com tinta . loose lips sink ships . manuel falcão malzbender . mastiga e deita fora . meditação na pastelaria . menina limão . moro aqui . mundo imaginado . não tenho vida para isto . no meu vaso . no vazio da onda . o amor é um cão do inferno . o leitor sem qualidades . o assobio das árvores . paperback cell . pátio alfacinha . o polvo . o regabofe . o rosto de deus . o silêncio dos livros . os cavaleiros camponeses no ano mil no lago de paladru . os amigos de alex . Paris vs. New York . passeio alegre . pathos na polis . postcard blues . post secret . provas de contacto . respirar o mesmo ar . senhor palomar . she hangs brightly . some variations . tarte de rabanete . tempo dual . there is only 1 alice . tratado de metatísica . triciclo feliz . uma por rolo . um blog sobre kleist . vazio bonito . viajador


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


~*. the bell jar .*~



os lugares comuns: against demons . all work and no play . compêndio de vocações inúteis  .  current mood . filosofia e metafísica quotidiana . fruta esquisita menina aflita . inventário crescente de palavras mais-que-perfeitas . miles to go before I sleep . música no coração  .  música para o dia de hoje . o ponto de vista dos demónios . planos para dominar o mundo . this magic moment  .  you came on like a punch in the heart . you must believe in spring


egosfera: a infância . a minha vida dava um post . afirmações identitárias . a troubled cure for a troubled mind . april was the cruellest month . aquele canto escuro que tudo sabe . as coisas que me passam pela cabeça . fruto saturnino (conhecimento do inferno) . gotham style . mafarricar por aí . Mafia . morto amado nunca mais pára de morrer . o exílio e o reino . os diálogos imaginários . os infernos almofadados . RE: de mail . sina de mulher de bandido . the woman who could not live with her faulty heart . um lugar onde pousar a cabeça   .  correio sentimental


scriptorium: (des)considerações sobre arte . a noite . and death shall have no dominion . angularidades . bicho escala-estantes . do frio . do medo . escrever . exercícios . exercícios de anatomia . exercícios de respiração . exercícios de sobrevivência . Ítaca . lunário . mediterrânica . minimal . parágrafos mínimos . poemas . poemas mínimos . substâncias . teses, tratados e outras elocubrações quase científicas  .  um rumor no arvoredo


grandes amores: a thing of beauty is a joy forever . grandes amores . abraços . Afta . árvores . cat powa . colectânea de explicações avulsas da língua portuguesa  .  declaração de amor a um objecto . declaração de amor a uma cidade . desolação magnífica . divas e heróis . down the rabbit hole . drogas duras . drogas leves . esqueletos no armário . filmes . fotografia . geometrias . heart of darkness . ilustraçãoinício . matéria solar . mitologias . o mar . os livros . pintura . poesia . sol nascente . space is the place . the creatures inside my head . Twin Peaks . us people are just poems . verão  .  you're the night, Lilah


do quotidiano: achados imperdíveis . acidentes quotidianos e outros desastres . blogspotting . carpe diem . celebrações . declarações de emergência . diz que é uma espécie de portfolio . férias  .  greves, renúncias e outras rebeliões . isto anda tudo ligado . livro de reclamações . moleskine de viagem . níveis mínimos de suporte de vida . o existencialismo é um humanismo . só estão bem a fazer pouco


nomes: Aimee Mann . Al Berto . Albert Camus . Ana Teresa Pereira  . Bauhaus . Bismarck . Björk . Bond, James Bond . Camille Claudel . Carlos de Oliveira . Corto Maltese . Edvard Munch . Enki Bilal . Fight Club . Fiona Apple . Garfield . Giacometti . Indiana Jones . Jeff Buckley  .  Kavafis . Klimt . Kurt Halsey . Louise Bourgeois . Malcolm Lowry . Manuel de Freitas . Margaret Atwood . Marguerite Duras . Max Payne . Mia Couto . Monty Python . Nick Drake . Patrick Wolf  .  Sophia de Mello Breyner Andresen . Sylvia Plath . Tarantino . The National . Tim Burton


os outros: a natureza do mal . amigos . dedicatórias . em busca da límpida medida . retalhos e recortes



---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

...it's full of stars...


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

blogspot stats