quarta-feira, 10 de setembro de 2008



Tratado das contradições fundamentais #1
O trágico habita na impossibilidade do não-ser - versão extensa


1ª premissa do problema: Nietzsche, instigado pelo paradoxo angustiante do encarceramento numa perspectiva finita de tempo e matéria, descreve uma lenda onde o rei Midas persegue o velho Sileno pela floresta. O rei queria saber qual era, entre todas as coisas, a que o homem deveria preferir antes de tudo, algo inigualável. Quando, por fim o rei alcaçou Sileno:

«Imóvel e obstinado, o demónio não respondia. Até que, por fim, coagido pelo vencedor, desatou a rir e proferiu as seguintes palavras: 'Raça efémera, e miserável, filha do acaso e da dor! E tu, por que me obrigas a revelar-te o que mais te valeria ignorar? O que tu deverias preferir não o podes escolher: é não teres nascido, não seres. Seres 'nada'. Já que isso te é impossível, o melhor que podes desejar é morrer, morrer depressa'.» [Nietzsche | A Origem da Tragédia]



2ª premissa do problema: «Só há um problema filosófico verdadeiramente sério: é o suicídio. Julgar se a vida merece ou não ser vivida, é responder a uma questão fundamental da filosofia.» [Albert Camus | O Mito de Sísifo]



3ª premissa do problema: «Toda a alegria silenciosa de Sísifo aqui reside. O seu destino pertence-lhe. O seu rochedo é a sua coisa. (...) Cada grão dessa pedra, cada estilhaço mineral dessa montanha cheia de noite, forma por si só um mundo. A própria luta para atingir os píncaros basta para encher o coração de um homem. É preciso imaginar Sísifo feliz.» [Albert Camus | O Mito de Sísifo]



desenvolvimento sem conclusão:para Camus, o suicídio surge como uma confissão de incapacidade: é-se ultrapassado pela vida, não se consegue compreendê-la, enfim - não aguentamos a desordem estuporada da vida. [Herberto Helder] o desejo da morte é uma entidade antiga. perante o desespero, reconhecida a impossibilidade de não-ser, resta ao espírito derrotado ansiar pela rectificação dos males maiores pelos menores: que a morte venha, que restitua a tábua rasa, que interceda sobre a consciência com o seu magnânimo e perpétuo silêncio. o desejo da morte é o único substituto possível para o desejo impossível revelado por Sileno: aquilo que eu mais queria, não ser, nunca ter existido, é por natureza um desejo impossível, pois se o sinto, já existo. o que desejo então é que possa interromper esse fardo da existência, resituir-me ao nada por que anseio, eu que não fui feito à medida deste mundo, que me ultrapassa, que me derrota, que não desejo, para que não sirvo.

a tristeza cavalga por vezes no peito de um homem com a força de mil cavalos, e toda a luz de um sorriso não basta para apaziguar o que é selvagem e indomável. todo o calor de um abraço não chega para aplacar uma tão incontida fúria. pode acontecer por vezes que esse homem sucumba à voracidade da sua tristeza. pode acontecer também que reconheça que a sua vida não lhe pertence. caminha dia após dia carregado de laços invisíveis, atado por cordões umbilicais indeléveis a toda a vida que o rodeia - família, amigos, trabalho, conhecidos, lugares amados, tarefas por cumprir. sabe que a sua vida pertence também a todos aqueles que se encontram nos extremos dessas ligações. precisa de autorização para se retirar. por decoro, nunca a pede, resigna-se. isto há-de ter aqui uma contrapartida que me está a escapar. depois, por vezes, acontece-lhe experimentar um breve milagre: acredita ver o céu azul, respirar o ar fresco do cimo da montanha, consegue imaginar Sísifo feliz. porém, quando a noite arrasta consigo novamente o som da pedra que desliza, cavalgando, até ao fundo da montanha, abre-se no peito desse homem toda uma caverna de dores insuportáveis. Sísifo é apenas brevemente feliz. o peso da sua pedra é imenso, e dia após dia esmaga-o, porque o envelhece. então, doem a esse homem todas as terminações nervosas, cada ligação umbilical ao mundo, medita novamente sobre a forma de se extrair sem desastre a esse sofrimento de estar vivo. mas esse é também por sua vez um desejo impossível. só se sai batendo com a porta, deixando um trilho de destroços atrás de si. talvez por isso, o homem que deseja não-ser ensaie lentamente um vago desaparecimento. o homem que quer morrer será antes de mais um misantropo. se o desaparecimento é progressivo e contínuo, o mundo reclamará menos o seu abandono. não pede autorização, que nunca lhe seria concedida: faz por ser esquecido, ao mesmo tempo que deseja que o não-esquecimento alheio o salve.

enquanto a memória de Sísifo feliz resistir, o homem misantropo saberá apreciar a luz de um sorriso, o calor de um abraço, a força de uma alegria vital, precária, mas determinada. deseja morrer mas também deseja viver. equlibra-se no fio da navalha. espera qe algo ceda. não tem força para exercer o domínio sobre o seu destino, que lhe parece arbitrário. resigna-se então e espera. é tão paciente quanto é forçado a sê-lo o homem que não quebrou perante o jugo da loucura. entretanto, no seu peito cresce um estrondo cavo, ritmado, que se assemelha ao som das ferraduras.



Etiquetas: , ,


posted by saturnine | 00:37 |


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6 Comentários:

Blogger matilde disse...

Uma outra solução para o rei Midas era desejar ser feliz ponto. Depois o tipo que lhe fosse conceder o desejo que se amanhasse. ;)

(tens que convir que apesar de trivial é uma solução razoável)

12:51 da tarde  
Blogger Samuel Pereira disse...

É bem possível que o acelerador do CERN cause um buraco negro* e nos mande desta para melhor. Ou vá: desta para o nada.

* Ouvi dizer.

8:13 da tarde  
Blogger alex disse...

fogo, pá...esta cena atinge-me em cheio.

belíssimo post, muito bem escrito, do melhor que tens feito.

[vou ali tentar respirar fundo e já volto]

*

12:17 da manhã  
Blogger Happy and Bleeding disse...

there are a lot of answers and even more questions, but this is still a great post.

7:44 da tarde  
Blogger saturnine disse...

matilde, esse é um desejo por demais ingénuo e pouco de acordo com o existencialismo da coisa. :)

Samuel: esperemos para ver (i'm curious). :)

alex: enfim. (...) *

happy and bleeding: :)

6:49 da tarde  
Blogger matilde disse...

eu não acredito propriamente que seja possível ser feliz a tempo inteiro, basicamente o desejo seria irrealizável, daí dizer a minha segunda frase. :)

1:29 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial


spot player special




"us people are just poems"
[ani difranco]


*

calamity.spot[at]gmail.com



~*. through the looking glass .*~




little black spot | portfolio
Baucis & Philemon | tea for two
os dias do minotauro | against demons
menina tangerina | citrus reticulata deliciosa
the woman who could not live with her faulty heart | work in progress
pale blue dot | sala de exposições
o rosto de deus | fairy tales








---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


~*. rearview mirror .*~


Maio 2003 . Junho 2003 . Julho 2003 . Agosto 2003 . Setembro 2003 . Outubro 2003 . Novembro 2003 . Dezembro 2003 . Janeiro 2004 . Fevereiro 2004 . Março 2004 . Abril 2004 . Maio 2004 . Junho 2004 . Julho 2004 . Agosto 2004 . Setembro 2004 . Outubro 2004 . Novembro 2004 . Dezembro 2004 . Janeiro 2005 . Fevereiro 2005 . Março 2005 . Abril 2005 . Maio 2005 . Junho 2005 . Julho 2005 . Agosto 2005 . Setembro 2005 . Outubro 2005 . Novembro 2005 . Dezembro 2005 . Janeiro 2006 . Fevereiro 2006 . Março 2006 . Abril 2006 . Maio 2006 . Junho 2006 . Julho 2006 . Agosto 2006 . Setembro 2006 . Outubro 2006 . Novembro 2006 . Dezembro 2006 . Janeiro 2007 . Fevereiro 2007 . Março 2007 . Abril 2007 . Maio 2007 . Junho 2007 . Julho 2007 . Agosto 2007 . Setembro 2007 . Outubro 2007 . Novembro 2007 . Dezembro 2007 . Janeiro 2008 . Fevereiro 2008 . Março 2008 . Abril 2008 . Maio 2008 . Junho 2008 . Julho 2008 . Agosto 2008 . Setembro 2008 . Outubro 2008 . Novembro 2008 . Dezembro 2008 . Janeiro 2009 . Fevereiro 2009 . Março 2009 . Abril 2009 . Maio 2009 . Junho 2009 . Julho 2009 . Agosto 2009 . Setembro 2009 . Outubro 2009 . Novembro 2009 . Dezembro 2009 . Janeiro 2010 . Fevereiro 2010 . Março 2010 . Maio 2010 . Junho 2010 . Julho 2010 . Agosto 2010 . Outubro 2010 . Novembro 2010 . Dezembro 2010 . Janeiro 2011 . Fevereiro 2011 . Março 2011 . Abril 2011 . Maio 2011 . Junho 2011 . Julho 2011 . Agosto 2011 . Setembro 2011 . Outubro 2011 . Janeiro 2012 . Fevereiro 2012 . Março 2012 . Abril 2012 . Maio 2012 . Junho 2012 . Setembro 2012 . Novembro 2012 . Dezembro 2012 . Janeiro 2013 . Janeiro 2014 .


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


~*. spying glass .*~


a balada do café triste . ágrafo . albergue dos danados . almanaque de ironias menores . a natureza do mal . animais domésticos . antologia do esquecimento . arquivo fantasma . a rute é estranha . as aranhas . as formigas . as pequenas estruturas do ócio . atelier de domesticação de demónios . atum bisnaga . auto-retrato . avatares de um desejo . baggio geodésico . bananafish . bibliotecário de Babel . bloodbeats . caixa-de-lata . casa de cacela . chafarica iconoclasta . coisa ruim . com a luz acesa . comboio de fantasmas . complicadíssima teia . corpo em excesso de velocidade . daily make-up . detective cantor . dias com árvores . dias felizes . e deus criou a mulher . e.g., i.e. . ein moment bitte . em busca da límpida medida . em escuta . estado civil . glooka . i kant, kant you? . imitation of life . isto é o que hoje é . last breath . livros são papéis pintados com tinta . loose lips sink ships . manuel falcão malzbender . mastiga e deita fora . meditação na pastelaria . menina limão . moro aqui . mundo imaginado . não tenho vida para isto . no meu vaso . no vazio da onda . o amor é um cão do inferno . o leitor sem qualidades . o assobio das árvores . paperback cell . pátio alfacinha . o polvo . o regabofe . o rosto de deus . o silêncio dos livros . os cavaleiros camponeses no ano mil no lago de paladru . os amigos de alex . Paris vs. New York . passeio alegre . pathos na polis . postcard blues . post secret . provas de contacto . respirar o mesmo ar . senhor palomar . she hangs brightly . some variations . tarte de rabanete . tempo dual . there is only 1 alice . tratado de metatísica . triciclo feliz . uma por rolo . um blog sobre kleist . vazio bonito . viajador


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


~*. the bell jar .*~



os lugares comuns: against demons . all work and no play . compêndio de vocações inúteis  .  current mood . filosofia e metafísica quotidiana . fruta esquisita menina aflita . inventário crescente de palavras mais-que-perfeitas . miles to go before I sleep . música no coração  .  música para o dia de hoje . o ponto de vista dos demónios . planos para dominar o mundo . this magic moment  .  you came on like a punch in the heart . you must believe in spring


egosfera: a infância . a minha vida dava um post . afirmações identitárias . a troubled cure for a troubled mind . april was the cruellest month . aquele canto escuro que tudo sabe . as coisas que me passam pela cabeça . fruto saturnino (conhecimento do inferno) . gotham style . mafarricar por aí . Mafia . morto amado nunca mais pára de morrer . o exílio e o reino . os diálogos imaginários . os infernos almofadados . RE: de mail . sina de mulher de bandido . the woman who could not live with her faulty heart . um lugar onde pousar a cabeça   .  correio sentimental


scriptorium: (des)considerações sobre arte . a noite . and death shall have no dominion . angularidades . bicho escala-estantes . do frio . do medo . escrever . exercícios . exercícios de anatomia . exercícios de respiração . exercícios de sobrevivência . Ítaca . lunário . mediterrânica . minimal . parágrafos mínimos . poemas . poemas mínimos . substâncias . teses, tratados e outras elocubrações quase científicas  .  um rumor no arvoredo


grandes amores: a thing of beauty is a joy forever . grandes amores . abraços . Afta . árvores . cat powa . colectânea de explicações avulsas da língua portuguesa  .  declaração de amor a um objecto . declaração de amor a uma cidade . desolação magnífica . divas e heróis . down the rabbit hole . drogas duras . drogas leves . esqueletos no armário . filmes . fotografia . geometrias . heart of darkness . ilustraçãoinício . matéria solar . mitologias . o mar . os livros . pintura . poesia . sol nascente . space is the place . the creatures inside my head . Twin Peaks . us people are just poems . verão  .  you're the night, Lilah


do quotidiano: achados imperdíveis . acidentes quotidianos e outros desastres . blogspotting . carpe diem . celebrações . declarações de emergência . diz que é uma espécie de portfolio . férias  .  greves, renúncias e outras rebeliões . isto anda tudo ligado . livro de reclamações . moleskine de viagem . níveis mínimos de suporte de vida . o existencialismo é um humanismo . só estão bem a fazer pouco


nomes: Aimee Mann . Al Berto . Albert Camus . Ana Teresa Pereira  . Bauhaus . Bismarck . Björk . Bond, James Bond . Camille Claudel . Carlos de Oliveira . Corto Maltese . Edvard Munch . Enki Bilal . Fight Club . Fiona Apple . Garfield . Giacometti . Indiana Jones . Jeff Buckley  .  Kavafis . Klimt . Kurt Halsey . Louise Bourgeois . Malcolm Lowry . Manuel de Freitas . Margaret Atwood . Marguerite Duras . Max Payne . Mia Couto . Monty Python . Nick Drake . Patrick Wolf  .  Sophia de Mello Breyner Andresen . Sylvia Plath . Tarantino . The National . Tim Burton


os outros: a natureza do mal . amigos . dedicatórias . em busca da límpida medida . retalhos e recortes



---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

...it's full of stars...


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

blogspot stats