terça-feira, 13 de maio de 2008



Break my arms around the one I love



The National | 11 de Maio | Lisboa

© ilustre Senhor Manel, ao lado de quem tive o prazer de me sentar (na primeira fila, ao centro)





The National | Daughters of the Soho Riots



não há muitas palavras para isto. epifania. amor. derrota total. pequenas mortes. os rostos que vi, os que tanto queria ver, os que - qual Bartleby de meia-tigela - preferia não. a sensação de que somos vagamente weirdos em mútuo reconhecimento. eu pelo menos sou uma grande weirdo e doem-me permanentemente as coisas que trago por dentro. doem um bocadinho mais quando soa a "Daughters of the Soho Riots". doem particularmente se deixo ecoar-me na cabeça



I wanna hurry home to you
put on a slow, dumb show for you
and crack you up



and I'm closing on 29.





Etiquetas:


posted by saturnine | 00:26 |


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

22 Comentários:

Blogger rita disse...

eu verti uma lagrimita na about today. tudo o resto foi o deslumbre completo. fizeste um post muito bonito sobre o concerto, mas eu nem bonito nem feio consigo fazer.

10:29 da manhã  
Blogger saturnine disse...

percebo-te bem, Rita. :) ainda dei muitas voltas até perceber se ia ou não conseguir fazer o post. a foto foi o desbloqueador, diz imenso por si.

mencionei a "About Today" depois do concerto do sudoeste. agora, quis conter o arraso que representa só para mim (oh, pois, as lagrimitas...)

:)

1:08 da manhã  
Blogger menina limão disse...

E eu verti a minha lágrima na About Today há 3 anos em Paredes de Coura. (bom, na verdade ficou retida à entrada do olho, com muito esforço)

Rita, tu consegues. (you can do it!) Tenta uma só frase, em vez de tentares o turbilhão de pensamentos que te afloram, pensamentos mais ou menos abstractos.

4:38 da manhã  
Blogger Pedro disse...

Há uma coisa que eu nunca percebi, mas também nunca me devo ter esforçado em perceber. Há 3 anos em Paredes de Coura aquilo foi bom? Assim assim? Promissor mas aquém das expectativas? Genial mas completamente incompreendido?

10:10 da manhã  
Blogger saturnine disse...

Pedro, só a limão te poderá responder a isso. há 3 anos eu tinha acabado de conhecer The National com o Alligator e não fui a Paredes de Coura.

o que posso dizer é o seguinte: o ano passado, no Sudoeste, em contexto de festival, se eu não conhecesse ou tivesse acabado de conhecer a banda, tinha saído de lá bastante frustrada e desiludida.
não resulta naquele ambiente, ainda mais com som preparado à pressa. eles precisam de intimismo (sendo que, aliás, eu já por várias vezes disse que o ideal seria mesmo tocarem só para mim na minha sala, claro).

este concerto da Aula Magna entrou directamente para o Top3 dos melhores da minha vida. :)

2:11 da tarde  
Blogger Pedro disse...

A descrição que fazes do concerto do Sudoesta bate certo com quase tudo o que li e ouvi sobre a coisa. Daí a minha dúvida sobre Paredes.
Entra claramente para o meu top de surpresas inesperadas, lá isso entra.

2:17 da tarde  
Blogger menina limão disse...

Há 3 anos os National fizeram história em Paredes de Coura. Entraram à luz do dia, quando esta começa a esmorecer lentamente anunciando o crepúsculo. Éramos poucos a conhecê-los, mas éramos tão devotos que lá estavamos colados à grade, emocionados. Vi os National entregarem-se de coração aberto o tempo todo, vi o Matt a desfazer-se bem diante dos meus olhos e ouvi aquele rol de músicas lindíssimas, algumas que hoje já não tocarão porque o resportório é maior. Vi-os numa altura em que pouca gente conhecia e sabia ser um desperdício, mas isso fez com que aquele concerto tivesse um travo a preciosidade ainda mais especial. Foi absolutamente mágico.

(E também os vi com o meu amor ao lado, aquele que me tinha dado a About Today daquela forma tão especial que não posso contar, só que naquele dia já não era propriamente o meu amor e aquilo doeu muito e eu tive de fazer um grande esforço para não me desfazer da mesma maneira que eu via o Matt desfazer-se à minha frente)

(posto isto, fico a rezar para que não sejam muitos a espreitar esta caixa de comentários)

2:24 da tarde  
Blogger menina limão disse...

sabem...isto não é mesmo para meter nojo e não é um comentário ressabiado, mas sinto mesmo que os vi na altura certa. irrita-me todo este hype, faz com que eu desconfie até do verdadeiro amor das pessoas por eles. fico muito contente, muito mesmo, por eles serem finalmente reconhecidos, mas é-me inevitável pensar que eu tive acesso àquela preciosidade quando estava ainda em bruto e é-me também inevitável sentir que aquele concerto foi-me dado apenas a mim (e, pronto, a mais alguns privilegiados).

vou revê-los em guimarães, mas confesso, vou com muito medo. não sei se conseguirão arrasar-me da mesma maneira e...coitados, a culpa nem é deles.

2:31 da tarde  
Blogger saturnine disse...

limão, eu a isso só posso responder o que já te respondi uma vez: para mim seria impensável imaginar a altura certa há 3 anos, e não só por conhecê-los menos mal: porque as canções do Boxer (e as do Alligator, certo) são-me absolutamente necessárias. o álbum é uma preciosidade, complexa, harmoniosa, quase perfeita, e o concerto teve momentos extraordinariamente mágicos à custa disso. e o concerto foi mesmo belíssimo, podes acreditar. acho que seria uma injustiça inominável menosprezá-lo. aquilo que eles fizeram na Aula Magna, uma sequência ininterrupta da "Gospel" e da "About Today", com uma instrumentalia brilhante pelo meio, é coisa que não se vê todos os dias, nem sequer certamente todos os anos. :)

de resto, quanto ao hype, é como costumo dizer: não sou suficientemente indie para me (pre)ocupar com o número de pessoas à minha volta a gostar de seja o que for. :p ali, naquela Aula Magna, onde o Matt se desfazia como se fosse cair do palco para cima de mim (estava mesmo à minha frente, a meio metro de distância), o concerto foi tocado todo só para mim. não havia mais ninguém naquela sala.

ou aliás, havia. mas disso não me interessa nada falar. :)

2:41 da tarde  
Blogger Pedro. disse...

Longe de mim duvidar da intensidade de um concerto que, segundo a crítica do outro no Público, até fez derreter o mercúrio (uma descoberta científica de relevo). E, como devoto dos National que sou, claro que gostaria de ter estado outra vez a vê-los. Mas compreendo a Cláudia porque também estava no meio daquela meia-dúzia que sabia ao que ia em Paredes de Coura. Só quem foi aos dois (não sei se alguém) é que poderá fazer a comparação inútil quanto ao grau de intensidade, mas é-me muito claro que, se o concerto da Aula Magna foi aquele típico (sem sentido pejorativo) concerto de consagração, esgotadíssimo, com toda a gente a saber que ia sair de lá a dizer como tinha sido incrível (os National prestam-se a isso, claro), o de Paredes de Coura foi um concerto mais raro. Não estou a dizer melhor, mais intenso, não sei se sim, se não, desinteressa-me. Mas ainda não vi um concerto como aquele, com aquele grau de improbabilidade. Uma banda entregar-se daquela maneira tão intensa e aparentemente tão doída e genuína (estive o concerto inteiro a pensar que o homem ia começar a chorar), virados para uma enconsta vazia, ainda de dia, só por causa daqueles quarenta e tal tipos em expectativa... No meio daquela imensidão cheia de nada, foi um momento íntimo como poucas vezes tive por causa de um concerto. E sei que é aí que a Cláudia quer chegar. Do mesmo modo que sei (e tu também devias saber) que, quando a Cláudia fala do hype, não está em causa alguém querer uma banda só para si e para mais alguns na obscuridade (e se conotas "indie" com isso, temos então uma abordagem do conceito muito diferente). Está em causa desconfiar da súbita unanimidade à volta de uma banda que andava por aí desconsiderada. Tudo por ter lançado um álbum que muitos, como eu, acham excelente mas inferior ao Alligator. E um hype é isso mesmo: uma movimentação explosiva com muito seguidismo cego pelo meio. Com sorte (é o caso) põe-se o pessoal a seguir algo realmente bom. Aliás, por boas causas até acho muito bem que comecem logo ao início.

Beijos

p.s.: E devo dizer que começas a acusar a Cláudia de menosprezar o concerto da Aula Magna sem ter lá estado e acabas a menosprezar o concerto de Paredes de Coura sem teres lá estado. E se estamos mesmo só a falar de experiências individuais, então não é pela Cláudia partilhar a experiência dela que está a menosprezar seja o que for.

3:38 da tarde  
Blogger Pedro. disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

3:38 da tarde  
Blogger Pedro disse...

Eu tinha escrito uma coisa grande aqui e isto foi-se (e não sou o Pedro de cima).

Vou tentar repetir mas vai sair mais à bruta que estou sem muito tempo.

O concerto da Aula Magna foi bom, apesar de estar ganho à partida. Eu sou um céptico por natureza (e um bocado duro de ouvido), e nunca tinha percebido magia dos National. Consigo lembrar-me do exacto momento em que o ouvi o Secret Meeting, que ainda é a minha canção favorita deles, mas mais do isso aquilo nunca me tocou.

É também comum aborrecer-me com concertos ganhos à partida, com música de traje de passeio. Mas ao fim de três músicas estava a pensar que aquilo estava a ser bom e que se fosse tão bom a partir dali era melhor ainda. Depois o tempo passou e eu continuei convencido.

Já tu nunca poderás ´repetir o concerto de Paredes de Coura. Viste aquilo na fase em que estava na altura, e tu própria estarias numa fase diferente da tua vida. Hoje por melhor que qualquer concerto fosse sabia-te a limonada cheia de açúcar.

3:46 da tarde  
Blogger Pedro disse...

E posto isto é claro que só estando nos dois se poderia comparar o que quer que fosse :)

3:47 da tarde  
Blogger saturnine disse...

Pedro, acho que não precisas de vir tu falar pela menina limão para eu perceber o que ela quer dizer, e acho que ninguém está a menosprezar nada (nem da minha parte nem da dela), e acho ainda que se estávamos aqui a partilhar experiências pessoais (que estávamos, de ambas as partes), não vejo razão para apreciar muito um certo tom de sermão que aí encontro. :D posto isso, reitero:

estou-me francamente nas tintas para os hypes. ou melhor, estou-me nas tintas para se há unanimidade cega ou não, para a desconfiança com um súbito apreço generalizado.

no caso dos The National, e em particular na Aula Magna, aquilo que eu senti foi que havia à minha volta pessoas verdadeiramente apaixonadas e comovidas com aquelas músicas, e foi muito bom poder partilhar desse entusiasmo. houve intimismo e houve raridade q.b. nunca tinha visto um concerto assim, e eu já tinha visto os National antes.

quando a discos, i've already spoken my word: o Boxer é uma pequena maravilha, de canções extraordinárias, nada inferior ao Alligator (aliás, acho-o musicalmente mais elaborado, até), mas o meu interesse em estar aqui a discutir esse assunto e tentar eleger um predilecto... bem, é assim mais ou menos equivalente a zero.

4:06 da tarde  
Blogger saturnine disse...

Pedro, que não és o Pedro de cima, you've spoken wise words all the way. :)

4:07 da tarde  
Blogger menina limão disse...

Saturna, não entendo essa insinuação de que o Pedro. veio comentar por mim. Acho normal que, identificando-se ele com o assunto, ainda por cima dizendo-lhe especial respeito por ter estado lá e por partilhar da mesma opinião que eu, se tenha pronunciado. E se o fez foi por discordar do que disseste e sendo esta uma discussão pública, está no seu direito de vir concordar comigo. O Pedro. disse algumas coisas que eu mesma subscrevo. Avaliando a tua reacção, tenho de concluir que de facto não compreendeste o que eu disse e que foste precipitada. Embora defendas que estamos apenas a partilhar as nossas experiências, acabaste por ir mais longe no comentário anterior.

1. Não vejo razão para te ser impensável imaginá-los há 3 anos: o Boxer é marcante e indispensável, sem dúvida, mas o Alligator é igualmente excelente (eu até continuo a preferir o Alligator) e todos os álbuns anteriores são muito bons. Não é difícil imaginar um concerto resultar excelente por ter escelentes canções, pois não? De resto, tudo o que ultrapassa esta questão é de facto uma inutilidade: se nenhum de nós viu os dois concertos, nenhum de nós estará interessado em especular sobre a intensidade ou o nível de qualidade. Eu nunca estive interessada nisso, não foi esse o propósito do meu comentário. Eu expliquei porque me é especial aquele concerto, pelas circunstâncias várias, o que o torna irrepetível. E isso é um facto que não põe em causa de modo algum o concerto na Aula Magna. Contrariamente ao que insinuaste, não estava a menosprezá-lo. ;)

2. quanto à questão do hype, subscrevo totalmente o Pedro - era aí que queria chegar e também não percebi essa investida "indie". (?!)


Agora, Pedro (Sousa), quando eu disse que tinha medo que eles não me conseguissem arrasar da mesma maneira, não estava a referir-me às circunstâncias em que conheci e ouvi posteriormente ao vivo a música About Today. Por acaso, essas circunstâncias hão-de sempre fazer com que me desfaça da mesma maneira ao ouvi-la. Do resto, é que tenho as minhas dúvidas. Como disse, eles não têm culpa, eu é que me cansei um pouco por causa do hype. Mas Guimarães lá estará para tirar a teima. E eu não sou daquelas que vai de pé atrás. Tenho medo, sim, mas vou de peito aberto e espero bem que me arrasem. :)

5:00 da tarde  
Blogger saturnine disse...

oh limão, não há aqui insinuações. por decoro e consideração, abstenho-me de me pronunciar sobre as razões do meu desagrado (aqui).

não acho que tu e o Pedro tenham razão em qualquer das coisas que me apontam como incorrectas ou precipitadas ou mal compreendidas e isso só me faz arrepender de não ter feito como a Rita e ter deixado o post sobre algo tão especial limitado ao interior da minha cabeça.

posto isto, acrescento: eu disse sem ambiguidade que me era impensável imaginar a altura certa para mim há 3 anos, porque sou admiradora incondicional do Boxer. a altura certa para mim é agora. mas acaso disse que me era imepnsável tê-los amado há 3 anos? bolas, quem me dera a mim ter estado lá. e bolas, quem me dera a mim não estar a ser tão mal lida, por quem me acusa a mim de ser precipitada.

quanto ao comentário indie, era preciso um bocadinho mais de humor e menos seriedade na leitura. mas esqueço-me que venho de uma máfia que tem todo um repertório de piadolas sobre os hypes e o ser ou não indie e que o resto das pessoas não tem necessariamente que as detectar/perceber. my mistake.

quanto ao resto, não há nada que sinta vontade de justificar, argumentar, whatever.

5:48 da tarde  
Blogger Pedro. disse...

Ocorrem-me muitas coisas neste momento, mas para além de uma enorme desilusão que tenho em mãos neste momento, vou deixar muito claro apenas isto: sou, e pensava que tinha o direito de ser, tão parte interessada neste tema como a Cláudia, por gostar dos National e por tê-los vistos em Paredes de Coura. Que, por estar em sintonia com a Cláudia, me venham dizer o que tu disseste, é apenas patético, um pouco ofensivo e uma surpresa que não espero (não esperava) de certas pessoas.

10:12 da tarde  
Blogger scavenger disse...

li isto tudo e estou de acordo com quase tudo o que saturnine disse.

(não vi, nem conhecia os the national em 2005)
acrescento apenas que é impossível comparar os dois concertos porque os the national de 2008 não são os mesmos de 2005, mas nos discos a intensidade é a mesma, propaga-se é de formas diferentes.

12:01 da manhã  
Blogger saturnine disse...

Pedro, estás no teu direito, respeito. a mim, a honestidade e a franqueza deixam-me de consciência tranquila. aguento-me às minhas broncas, e disto fico só com a ideia de talvez repensar o que vale a pena partilhar (e com quem).

scavenger, concordo com isso do que dizes sobre a passagem do tempo e das mudanças. é como um comboio, se o apanhamos em estações diferentes, a perspectiva da viagem não será certamente a mesma. :)

1:50 da manhã  
Blogger Ali disse...

Em 2005 eu não conhecia os National nem o Jameson de 18 anos. E deus me livre de ir a Paredes de Coura, que aquilo deve ser só casas-de-banho colectivas. Entretanto, com isto do preço do petróleo, o J18 está a quase 100 euros e eu nem sei onde estava no 25 de Abril, mas sei que era no estrangeiro. No dia 11 de Maio, do ano da graça de 2008, ali na terceira fila central, vi um concerto que me fez regressar ao meu 1988 e, se este blog fosse meu, passava-me logo se dissessem que tinha havido um melhor! :D

8:56 da tarde  
Blogger saturnine disse...

Ali, a meus braços. :')

(este parece-me um bom momento para referir que a minha etiqueta "planos para conquistar o mundo" teve inspiração em ti. >:) )

2:29 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial


spot player special




"us people are just poems"
[ani difranco]


*

calamity.spot[at]gmail.com



~*. through the looking glass .*~




little black spot | portfolio
Baucis & Philemon | tea for two
os dias do minotauro | against demons
menina tangerina | citrus reticulata deliciosa
the woman who could not live with her faulty heart | work in progress
pale blue dot | sala de exposições
o rosto de deus | fairy tales








---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


~*. rearview mirror .*~


Maio 2003 . Junho 2003 . Julho 2003 . Agosto 2003 . Setembro 2003 . Outubro 2003 . Novembro 2003 . Dezembro 2003 . Janeiro 2004 . Fevereiro 2004 . Março 2004 . Abril 2004 . Maio 2004 . Junho 2004 . Julho 2004 . Agosto 2004 . Setembro 2004 . Outubro 2004 . Novembro 2004 . Dezembro 2004 . Janeiro 2005 . Fevereiro 2005 . Março 2005 . Abril 2005 . Maio 2005 . Junho 2005 . Julho 2005 . Agosto 2005 . Setembro 2005 . Outubro 2005 . Novembro 2005 . Dezembro 2005 . Janeiro 2006 . Fevereiro 2006 . Março 2006 . Abril 2006 . Maio 2006 . Junho 2006 . Julho 2006 . Agosto 2006 . Setembro 2006 . Outubro 2006 . Novembro 2006 . Dezembro 2006 . Janeiro 2007 . Fevereiro 2007 . Março 2007 . Abril 2007 . Maio 2007 . Junho 2007 . Julho 2007 . Agosto 2007 . Setembro 2007 . Outubro 2007 . Novembro 2007 . Dezembro 2007 . Janeiro 2008 . Fevereiro 2008 . Março 2008 . Abril 2008 . Maio 2008 . Junho 2008 . Julho 2008 . Agosto 2008 . Setembro 2008 . Outubro 2008 . Novembro 2008 . Dezembro 2008 . Janeiro 2009 . Fevereiro 2009 . Março 2009 . Abril 2009 . Maio 2009 . Junho 2009 . Julho 2009 . Agosto 2009 . Setembro 2009 . Outubro 2009 . Novembro 2009 . Dezembro 2009 . Janeiro 2010 . Fevereiro 2010 . Março 2010 . Maio 2010 . Junho 2010 . Julho 2010 . Agosto 2010 . Outubro 2010 . Novembro 2010 . Dezembro 2010 . Janeiro 2011 . Fevereiro 2011 . Março 2011 . Abril 2011 . Maio 2011 . Junho 2011 . Julho 2011 . Agosto 2011 . Setembro 2011 . Outubro 2011 . Janeiro 2012 . Fevereiro 2012 . Março 2012 . Abril 2012 . Maio 2012 . Junho 2012 . Setembro 2012 . Novembro 2012 . Dezembro 2012 . Janeiro 2013 . Janeiro 2014 .


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


~*. spying glass .*~


a balada do café triste . ágrafo . albergue dos danados . almanaque de ironias menores . a natureza do mal . animais domésticos . antologia do esquecimento . arquivo fantasma . a rute é estranha . as aranhas . as formigas . as pequenas estruturas do ócio . atelier de domesticação de demónios . atum bisnaga . auto-retrato . avatares de um desejo . baggio geodésico . bananafish . bibliotecário de Babel . bloodbeats . caixa-de-lata . casa de cacela . chafarica iconoclasta . coisa ruim . com a luz acesa . comboio de fantasmas . complicadíssima teia . corpo em excesso de velocidade . daily make-up . detective cantor . dias com árvores . dias felizes . e deus criou a mulher . e.g., i.e. . ein moment bitte . em busca da límpida medida . em escuta . estado civil . glooka . i kant, kant you? . imitation of life . isto é o que hoje é . last breath . livros são papéis pintados com tinta . loose lips sink ships . manuel falcão malzbender . mastiga e deita fora . meditação na pastelaria . menina limão . moro aqui . mundo imaginado . não tenho vida para isto . no meu vaso . no vazio da onda . o amor é um cão do inferno . o leitor sem qualidades . o assobio das árvores . paperback cell . pátio alfacinha . o polvo . o regabofe . o rosto de deus . o silêncio dos livros . os cavaleiros camponeses no ano mil no lago de paladru . os amigos de alex . Paris vs. New York . passeio alegre . pathos na polis . postcard blues . post secret . provas de contacto . respirar o mesmo ar . senhor palomar . she hangs brightly . some variations . tarte de rabanete . tempo dual . there is only 1 alice . tratado de metatísica . triciclo feliz . uma por rolo . um blog sobre kleist . vazio bonito . viajador


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


~*. the bell jar .*~



os lugares comuns: against demons . all work and no play . compêndio de vocações inúteis  .  current mood . filosofia e metafísica quotidiana . fruta esquisita menina aflita . inventário crescente de palavras mais-que-perfeitas . miles to go before I sleep . música no coração  .  música para o dia de hoje . o ponto de vista dos demónios . planos para dominar o mundo . this magic moment  .  you came on like a punch in the heart . you must believe in spring


egosfera: a infância . a minha vida dava um post . afirmações identitárias . a troubled cure for a troubled mind . april was the cruellest month . aquele canto escuro que tudo sabe . as coisas que me passam pela cabeça . fruto saturnino (conhecimento do inferno) . gotham style . mafarricar por aí . Mafia . morto amado nunca mais pára de morrer . o exílio e o reino . os diálogos imaginários . os infernos almofadados . RE: de mail . sina de mulher de bandido . the woman who could not live with her faulty heart . um lugar onde pousar a cabeça   .  correio sentimental


scriptorium: (des)considerações sobre arte . a noite . and death shall have no dominion . angularidades . bicho escala-estantes . do frio . do medo . escrever . exercícios . exercícios de anatomia . exercícios de respiração . exercícios de sobrevivência . Ítaca . lunário . mediterrânica . minimal . parágrafos mínimos . poemas . poemas mínimos . substâncias . teses, tratados e outras elocubrações quase científicas  .  um rumor no arvoredo


grandes amores: a thing of beauty is a joy forever . grandes amores . abraços . Afta . árvores . cat powa . colectânea de explicações avulsas da língua portuguesa  .  declaração de amor a um objecto . declaração de amor a uma cidade . desolação magnífica . divas e heróis . down the rabbit hole . drogas duras . drogas leves . esqueletos no armário . filmes . fotografia . geometrias . heart of darkness . ilustraçãoinício . matéria solar . mitologias . o mar . os livros . pintura . poesia . sol nascente . space is the place . the creatures inside my head . Twin Peaks . us people are just poems . verão  .  you're the night, Lilah


do quotidiano: achados imperdíveis . acidentes quotidianos e outros desastres . blogspotting . carpe diem . celebrações . declarações de emergência . diz que é uma espécie de portfolio . férias  .  greves, renúncias e outras rebeliões . isto anda tudo ligado . livro de reclamações . moleskine de viagem . níveis mínimos de suporte de vida . o existencialismo é um humanismo . só estão bem a fazer pouco


nomes: Aimee Mann . Al Berto . Albert Camus . Ana Teresa Pereira  . Bauhaus . Bismarck . Björk . Bond, James Bond . Camille Claudel . Carlos de Oliveira . Corto Maltese . Edvard Munch . Enki Bilal . Fight Club . Fiona Apple . Garfield . Giacometti . Indiana Jones . Jeff Buckley  .  Kavafis . Klimt . Kurt Halsey . Louise Bourgeois . Malcolm Lowry . Manuel de Freitas . Margaret Atwood . Marguerite Duras . Max Payne . Mia Couto . Monty Python . Nick Drake . Patrick Wolf  .  Sophia de Mello Breyner Andresen . Sylvia Plath . Tarantino . The National . Tim Burton


os outros: a natureza do mal . amigos . dedicatórias . em busca da límpida medida . retalhos e recortes



---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

...it's full of stars...


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

blogspot stats