sábado, 8 de setembro de 2007



Agnès e outros distúrbios líricos


se tivesse que escolher de entre todas as palavras do mundo as que mais me dizem - e que mais dizem sobre mim - sem qualquer hesitação seriam estas:


«Não sou nada
Não quero ser nada
Não posso querer ser nada
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.»


Álvaro de Campos


a descoberta de um poema como a Tabacaria aos 15 ou 16 anos é um episódio francamente marcante na vida de uma adolescente. uma abertura assim abrupta e incisiva, irredutível, sem rodeios nem contemplações, como um soco no estômago, é coisa para permanecer marcante para o resto da vida. nunca encontrei outros versos com tão absoluto e inultrapassável significado. é uma pungência para a qual não poderá jamais haver segundas palavras, reformulações ou ajustes. o início da Tabacaria é a evidência inquestionável da perfeição lírica. a personificação exacta da pedra polida, mínima, despida de tudo quanto é acessório, que a poesia deve ser. não deixa de ser curioso que anos mais tarde me tenha deparado com isto

«I like darkness confusion and absurdity, but I like to know that there's a door I can escape into an area of happiness.»
David Lynch

e percebido que, no fundo, até dizem o mesmo. há um sentimento comum, de contradição essencial, que reune ambas as afirmações num mesmo domínio da plena identificação metafísica. por que é que eu haveria de ter que escolher de entre todas as palavras, estas, para que o mundo saiba o que tenho a dizer de mim, isso é que já não sei. como é certamente evidente, este é por excelência um blog na primeira pessoa. também aos 16 anos, li o livro que marcou a primeira grande viragem rumo a um crescimento à força, inesperado: A Imortalidade de Milan Kundera. não devo ter relido nenhum outro livro tantas vezes, ao ponto de chegar a confundir-me com ele. Agnès foi certamente uma das personagens mais marcantes da minha vida até ao momento. durante anos imaginei que de facto não deveria haver nada que uma mulher pudesse desejar mais do que enfrentar uma multidão segurando um miosótis à altura dos olhos. aniquilar o mundo, o excesso de gente, os ruízos, as vozes, a insolência intrusiva dos transeuntes com um amuleto carregado de simbolismo - Agnès, caminhando como se fosse invisível, como se desaparecesse, e caminhando rumo ao desaparecimento total, avançava como quem dizia: forget-me-not. pode fazer-se desaparecer o mundo nos concentrarmos numa minúscula flor azul, segura à altura dos olhos. Agnès era especial. a multidão não a via realmente. não podia supôr que os seus pensamentos não eram deste mundo. os seus gestos eram daqueles que duravam eternamente, deixando o momento suspenso na graciosidade de um mover de braço. Agnès não gostava das mulheres que não sabem fazer outra coisa senão falar de si. como aquela no balneário do ginásio que, em escassos minutos, afirmou claramente ao mundo o quanto gostava de duches frios. eu sou esta mulher a interromper o imaginário sanitário de Agnès. eu sou esta mulher que chega ao mundo e, mais do que anunciar ter coisas para dizer, as diz mesmo. eu sou o besouro insolente de Kundera. mas que não se deixem enganar: eu não quero que o mundo saiba de mim. falo tão somente para que o mundo me responda.








Etiquetas: , ,


posted by saturnine | 03:14 |


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

4 Comentários:

Blogger menina limão disse...

eu ainda só li A Insustentável Leveza do Ser e como foi na minha adolescência, suspeito do fascício que me fez sentir, como suspeito de tudo o que me marcou nessa época de viragem constante. por isso quero relê-lo para comprovar ou deitar por terra o fascínio antes produzido. a Imortalidade é tantas vezes falado que também me deixa curiosa. seres tu a falar dele, entorna o caldo. vou ter de lê-lo mesmo. ;)

11:47 da manhã  
Blogger saturnine disse...

acho que é compreensível suspeitar do fascínio. mesmo eu, que pelo caminho li praticamente todos os livros do Kundera, tenho sérias dúvidas que o fascínio fosse o mesmo se os lesse agora pela primeira vez. contudo, e pelo que me lembro, acho que "A Imortalidade" é mesmo um bocadinho especial. também gostaria de relê-lo outra vez. faz-te a ele, sim! ;)

12:49 da tarde  
Blogger B. Dante disse...

De todos os que li,e foram vários, é sem dúvida o meu favorito. Sim,acho que tem algo de especial.

2:31 da manhã  
Blogger saturnine disse...

ah, esse avatar... posso dizer "bons olhos te vejam"? ;)

4:11 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial


spot player special




"us people are just poems"
[ani difranco]


*

calamity.spot[at]gmail.com



~*. through the looking glass .*~




little black spot | portfolio
Baucis & Philemon | tea for two
os dias do minotauro | against demons
menina tangerina | citrus reticulata deliciosa
the woman who could not live with her faulty heart | work in progress
pale blue dot | sala de exposições
o rosto de deus | fairy tales








---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


~*. rearview mirror .*~


Maio 2003 . Junho 2003 . Julho 2003 . Agosto 2003 . Setembro 2003 . Outubro 2003 . Novembro 2003 . Dezembro 2003 . Janeiro 2004 . Fevereiro 2004 . Março 2004 . Abril 2004 . Maio 2004 . Junho 2004 . Julho 2004 . Agosto 2004 . Setembro 2004 . Outubro 2004 . Novembro 2004 . Dezembro 2004 . Janeiro 2005 . Fevereiro 2005 . Março 2005 . Abril 2005 . Maio 2005 . Junho 2005 . Julho 2005 . Agosto 2005 . Setembro 2005 . Outubro 2005 . Novembro 2005 . Dezembro 2005 . Janeiro 2006 . Fevereiro 2006 . Março 2006 . Abril 2006 . Maio 2006 . Junho 2006 . Julho 2006 . Agosto 2006 . Setembro 2006 . Outubro 2006 . Novembro 2006 . Dezembro 2006 . Janeiro 2007 . Fevereiro 2007 . Março 2007 . Abril 2007 . Maio 2007 . Junho 2007 . Julho 2007 . Agosto 2007 . Setembro 2007 . Outubro 2007 . Novembro 2007 . Dezembro 2007 . Janeiro 2008 . Fevereiro 2008 . Março 2008 . Abril 2008 . Maio 2008 . Junho 2008 . Julho 2008 . Agosto 2008 . Setembro 2008 . Outubro 2008 . Novembro 2008 . Dezembro 2008 . Janeiro 2009 . Fevereiro 2009 . Março 2009 . Abril 2009 . Maio 2009 . Junho 2009 . Julho 2009 . Agosto 2009 . Setembro 2009 . Outubro 2009 . Novembro 2009 . Dezembro 2009 . Janeiro 2010 . Fevereiro 2010 . Março 2010 . Maio 2010 . Junho 2010 . Julho 2010 . Agosto 2010 . Outubro 2010 . Novembro 2010 . Dezembro 2010 . Janeiro 2011 . Fevereiro 2011 . Março 2011 . Abril 2011 . Maio 2011 . Junho 2011 . Julho 2011 . Agosto 2011 . Setembro 2011 . Outubro 2011 . Janeiro 2012 . Fevereiro 2012 . Março 2012 . Abril 2012 . Maio 2012 . Junho 2012 . Setembro 2012 . Novembro 2012 . Dezembro 2012 . Janeiro 2013 . Janeiro 2014 .


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


~*. spying glass .*~


a balada do café triste . ágrafo . albergue dos danados . almanaque de ironias menores . a natureza do mal . animais domésticos . antologia do esquecimento . arquivo fantasma . a rute é estranha . as aranhas . as formigas . as pequenas estruturas do ócio . atelier de domesticação de demónios . atum bisnaga . auto-retrato . avatares de um desejo . baggio geodésico . bananafish . bibliotecário de Babel . bloodbeats . caixa-de-lata . casa de cacela . chafarica iconoclasta . coisa ruim . com a luz acesa . comboio de fantasmas . complicadíssima teia . corpo em excesso de velocidade . daily make-up . detective cantor . dias com árvores . dias felizes . e deus criou a mulher . e.g., i.e. . ein moment bitte . em busca da límpida medida . em escuta . estado civil . glooka . i kant, kant you? . imitation of life . isto é o que hoje é . last breath . livros são papéis pintados com tinta . loose lips sink ships . manuel falcão malzbender . mastiga e deita fora . meditação na pastelaria . menina limão . moro aqui . mundo imaginado . não tenho vida para isto . no meu vaso . no vazio da onda . o amor é um cão do inferno . o leitor sem qualidades . o assobio das árvores . paperback cell . pátio alfacinha . o polvo . o regabofe . o rosto de deus . o silêncio dos livros . os cavaleiros camponeses no ano mil no lago de paladru . os amigos de alex . Paris vs. New York . passeio alegre . pathos na polis . postcard blues . post secret . provas de contacto . respirar o mesmo ar . senhor palomar . she hangs brightly . some variations . tarte de rabanete . tempo dual . there is only 1 alice . tratado de metatísica . triciclo feliz . uma por rolo . um blog sobre kleist . vazio bonito . viajador


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


~*. the bell jar .*~



os lugares comuns: against demons . all work and no play . compêndio de vocações inúteis  .  current mood . filosofia e metafísica quotidiana . fruta esquisita menina aflita . inventário crescente de palavras mais-que-perfeitas . miles to go before I sleep . música no coração  .  música para o dia de hoje . o ponto de vista dos demónios . planos para dominar o mundo . this magic moment  .  you came on like a punch in the heart . you must believe in spring


egosfera: a infância . a minha vida dava um post . afirmações identitárias . a troubled cure for a troubled mind . april was the cruellest month . aquele canto escuro que tudo sabe . as coisas que me passam pela cabeça . fruto saturnino (conhecimento do inferno) . gotham style . mafarricar por aí . Mafia . morto amado nunca mais pára de morrer . o exílio e o reino . os diálogos imaginários . os infernos almofadados . RE: de mail . sina de mulher de bandido . the woman who could not live with her faulty heart . um lugar onde pousar a cabeça   .  correio sentimental


scriptorium: (des)considerações sobre arte . a noite . and death shall have no dominion . angularidades . bicho escala-estantes . do frio . do medo . escrever . exercícios . exercícios de anatomia . exercícios de respiração . exercícios de sobrevivência . Ítaca . lunário . mediterrânica . minimal . parágrafos mínimos . poemas . poemas mínimos . substâncias . teses, tratados e outras elocubrações quase científicas  .  um rumor no arvoredo


grandes amores: a thing of beauty is a joy forever . grandes amores . abraços . Afta . árvores . cat powa . colectânea de explicações avulsas da língua portuguesa  .  declaração de amor a um objecto . declaração de amor a uma cidade . desolação magnífica . divas e heróis . down the rabbit hole . drogas duras . drogas leves . esqueletos no armário . filmes . fotografia . geometrias . heart of darkness . ilustraçãoinício . matéria solar . mitologias . o mar . os livros . pintura . poesia . sol nascente . space is the place . the creatures inside my head . Twin Peaks . us people are just poems . verão  .  you're the night, Lilah


do quotidiano: achados imperdíveis . acidentes quotidianos e outros desastres . blogspotting . carpe diem . celebrações . declarações de emergência . diz que é uma espécie de portfolio . férias  .  greves, renúncias e outras rebeliões . isto anda tudo ligado . livro de reclamações . moleskine de viagem . níveis mínimos de suporte de vida . o existencialismo é um humanismo . só estão bem a fazer pouco


nomes: Aimee Mann . Al Berto . Albert Camus . Ana Teresa Pereira  . Bauhaus . Bismarck . Björk . Bond, James Bond . Camille Claudel . Carlos de Oliveira . Corto Maltese . Edvard Munch . Enki Bilal . Fight Club . Fiona Apple . Garfield . Giacometti . Indiana Jones . Jeff Buckley  .  Kavafis . Klimt . Kurt Halsey . Louise Bourgeois . Malcolm Lowry . Manuel de Freitas . Margaret Atwood . Marguerite Duras . Max Payne . Mia Couto . Monty Python . Nick Drake . Patrick Wolf  .  Sophia de Mello Breyner Andresen . Sylvia Plath . Tarantino . The National . Tim Burton


os outros: a natureza do mal . amigos . dedicatórias . em busca da límpida medida . retalhos e recortes



---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

...it's full of stars...


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

blogspot stats