quinta-feira, 20 de abril de 2006




Apology for an accident
(hold on, magnolia)



When you left you took all memory of me with you
Leaving me with no hope of ever being loved
And now like the air I’m blowing and blowing
With no hope of ever being seen

Did you hear the one about Mr. Ed
Well he said, "I’m this way because of the things I’ve seen
But I would rather count on your love instead
Daily eating my weight in hay.
"
And I hate to see a good thing just go to waste
Honey it’s a little weak for my taste

Well I’ve been praying a lot lately
It’s because I no longer have a TV
Just a fluorescent hangover to light the way
Between the things you say and the things I see

I just called you up to see If you wanted to go out
and drink a little wine
And waste some time on a rollercoaster ride
But you say it’s too dangerous to lead an empty life

And I hate to see all your sweet words just go to waste
But honey they’re a little weak for my taste


Well I’m an expert in all things that nature abhors
Your look of disgust when I touched your skin
And I try to figure what the world needs me for
So I replay the scene again and again


And I can see you try and put me in my place
Honey that’s a little weak for my taste


American Music Club





Etiquetas: ,


posted by saturnine | 18:58 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



I could never understand



Joseph Arthur


Too young to fall
For a light I think I see
Can't say for sure
The plants have died,
My hair has grown
From the thought of you
Coming home

Cuz it ain't easier
Waking up at dawn
To find I lost my crown

If I found you there
With flowers in your hair

I'd hold you in my arms
Till we came back down
A smile that explodes
I could never understand

My room, too small
To get by without the help out alcohol
Pin my arm to the wall
Now I'm too gone to fight
Not afraid to fall

Cuz it ain't easier
Waking up at dawn
To find I lost my crown
If I found you there
With flowers in your hair

I' d hold you in my arms
Until we came back down
A smile that explodes
I could never understand

I write one more
Letter I won't send
Except for across the floor




* * *




In Ohio, you were born
You will die alone


I'm gonna wait up
I'm gonna wait up
I'm gonna wait up
For you


Joseph Arthur



* * *





(Porque quero dormir o sono das maçãs
para aprender um pranto que me limpe de terra;
porque quero viver com aquele menino escuro
que queria cortar o coração em alto-mar.)


Federico García Lorca





Etiquetas: , ,


posted by saturnine | 17:59 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

quarta-feira, 19 de abril de 2006




(yes, of course it hurts when buds burst)


The soldier came knocking upon the queen's door
He said, "I am not fighting for you any more"
The queen knew she'd seen his face someplace before
And slowly she let him inside.

He said, "I've watched your palace up here on the hill
And I've wondered who's the woman for whom we all kill
But I am leaving tomorrow and you can do what you will
Only first I am asking you why."

Down in the long narrow hall he was led
Into her rooms with her tapestries red
And she never once took the crown from her head
She asked him there to sit down.

He said, "I see you now, and you are so very young
But I've seen more battles lost than I have battles won
And I've got this intuition, says it's all for your fun
And now will you tell me why?"

The young queen, she fixed him with an arrogant eye
She said, "You won't understand, and you may as well not try"

But her face was a child's, and he thought she would cry
But she closed herself up like a fan.
And she said, "I've swallowed a secret burning thread
It cuts me inside, and often
I've bled"

He laid his hand then on top of her head
And he bowed her down to the ground.

"Tell me how hungry are you? How weak you must feel
As you are living here alone, and you are never revealed
But I won't march again on your battlefield"
And he took her to the window to see.

And the sun, it was gold, though the sky, it was gray
And she wanted more than she ever could say
But she knew how it frightened her, and she turned away
And would not look at his face again.

And he said, "I want to live as an honest man
To get all I deserve and to give all I can
And to love a young woman who I don't understand
Your highness, your ways are very strange."


But the crown, it had fallen, and she thought she would break
And she stood there, ashamed of the way her heart ached

She took him to the doorstep and she asked him to wait
She would only be a moment inside.

Out in the distance her order was heard
And the soldier was killed, still waiting for her word
And while the queen went on strangeling in the solitude she preferred
The battle continued on


Suzanne Vega | The Queen and the Soldier




Etiquetas: , , ,


posted by saturnine | 01:19 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



(something is cracking)

But the only soldier now is me
I'm fighting things I cannot see
I think it's called my destiny
That I am changing








Etiquetas: , , ,


posted by saturnine | 01:08 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



(so broken)




Kurt Halsey





Etiquetas: , ,


posted by saturnine | 01:00 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

terça-feira, 18 de abril de 2006




I Can Not Have Seen The Light
(do I have to be alright all of the time?)
hold on magnolia



Again you're swinging low
And you hit me below the belt
Alright since it's a fair fight
I'd say it's the best that I have felt
In a long long time
In a long long time
Every now and then it happens again
I can't remember what comes first
Is it the hurt
Or knowing that it hurts

Is it the hurt
Or knowing that it hurts
Ever since I turned my life around
It still happens time to time
Don't know what pain was yours
Or what pain was mine
What pain was yours
And what pain was mine
Will I have to be alright all of the time
No one has to be alright all of the time
Do I have to be alright all of the time
Do I have to be alright all of the time

I thought I saw the light
I saw the light















Hold on Magnolia to that great highway moon
No one has to be that strong
But if you're stubborn like me
I know what you're trying to be

Hold on Magnolia, I hear that station bell ring
You might be holding the last light I see
Before the dark finally gets a hold of me
Hold on Magnolia, I know what a true friend you've been
In my life I have had my doubts
But tonight I think I've worked it out with all of them
Hold on Magnolia to the thunder and the rain
To the lightning that has just signed my name to the bottom line
Hold on Magnolia, I hear that lonesome whistle whine
Hold on Magnolia
I think its almost time

Magnolia Electric Co.





Etiquetas: , ,


posted by saturnine | 18:33 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

segunda-feira, 17 de abril de 2006






#1

hoje
experimentar a respiração:
mundo, tira as mãos
de dentro da minha garganta.




#2

mundo, afrouxa os dedos
sobre as minhas entranhas
dói-me o corpo
em lugares que não tenho
onde eu vou
tu já não alcanças.





#3

este corpo conhece o exercício
da hedionda imobilidade
ante o que dói excessivamente

mundo, retira a tua mão agora
para que eu possa cair de borco.




#4

apodreceu o perfume
dos lilases nas janelas

gangrena o dia
alienado do sol

mundo, remove o teu braço
deste inútil naco de carne




#5

eu teria esperado um dia inteiro
agora não resta senão o vazio dos bolsos
a dor de todas as ruas vazias *

mundo, desaperta a crispação
em redor da carne viva.




#6

Será possível que nada se cumprisse?
*
como pode alguém levar alguém pela mão
e largá-la sozinha no meio das sombras?
que foi feito dos abraços que enuciaste
da fé nos dias, do contentamento pelas
pequenas coisas?
já não tenho espaço para todas as canções
para todos os poemas em que me faltas
o meu corpo excedia-te e tudo
me excede agora a mim.
mundo, se tem que ser
aperta as tuas mãos
sobre o meu pescoço
mas não vaciles
corta-me o ar
que eu morro
deste veneno
que respiro.





* Sohpia de Mello Breyner Andresen





#7

ainda que saiba de cor
a textura das manhãs
que sucedem os desastres
abro os olhos somente
para os oferecer
aos pombos e aos abutres
mundo, ajuda-me a desnascer.





#8

como é nojento o bicho-pessoa
dorido, de entranhas abertas
dá o coração a comer aos ratos
para fingir-se não vazio substitui
a pele por barbitúricos
e benzodiazepinas.



Etiquetas: ,


posted by saturnine | 22:22 | 4 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

sábado, 15 de abril de 2006



Como diria o Will Oldham, como diria a outra louca da casa, a Emily Dickinson: Them the letting go...


Um dia é maior do que a soma
das suas horas, às vezes comporta
todos os invernos e as estações assombradas
pelos prejuízos do prazer.

Eu e tu, que desculpa ainda nos justifica?
A cidade não foi feita para as nossas pretensões,
está apenas alastrada por dentro de nós, crispação
de pedras e espinhos no laço desfeito entre as veias.

Adiantamos o corpo aos rolamentos da noite,
é a própria razão que nos ilumina os atalhos
para o esquecimento. Um ano inteiro não será suficiente
para tudo o que não nos acontece.

Rui Pires Cabral





Nunca veremos a noite escura. Não há lugar onde os meus passos possam tentar coincidir com os teus. Antes tínhamos as palavras, mas por tão pouco tempo tivemos as palavras, que também já não coincidem. E o que se faz, se se carrega esse naco de carne sangrento nas mãos, à procura de um lugar? Nunca saberás se eu sei usar uma camisa (e ela está há tantos dias pendurada do lado de fora do armário, sem corpo que a anime).
Nunca sei arrumar as coisas que perdem o seu caminho. Tenho um quarto cheio de objectos indigentes, a que não sei o que fazer, evidência de um cansaço de ser fragmentária, repartida por um mundo a que não pertenço. Nunca conhecerás o aspecto das minhas estantes, ou a ordem afectiva segundo a qual ordeno os livros e os discos, o lugar privilegiado que ocupa o Manuel António Pina ou o peso d'O Medo na mesinha de cabeceira. Nunca verás o que trazia afinal na carteira naquele dia, um livro do Rui Pires Cabral acabado de comprar (mais uma vez a sustentação da espera com as palavras, e a certeza de quem em breve já mais nenhuma palavra sustentaria o mundo).
Nunca saberás qual é o meu fruto preferido, nem o mal que me fazem todos os frutos, como, de resto, me faz mal tudo aquilo de que gosto. Nunca verás a cicatriz que tenho no joelho esquerdo, de ser este desastre ambulante que se fere em todas as esquinas do mundo (mundo, remove o teu braço/deste inútil cavidade que dói). Nunca verás as cicatrizes que tenho nos pulsos nem saberás nada do dia em que as fiz, desconhecerás para sempre a sua forma e os seus porquês. Nunca saberás que todas as minhas palavras são inúteis, que não me interessa qualquer dom, que eras tu o único bocadinho de humanidade que eu queria. Nnunca partilharemos lugares lado a lado no cinema, nunca ouviremos a música dos mesmos discos, nem dos mesmos concertos, nunca respiraremos o mesmo fumo azulado dos cigarros atrás de cigarros, nunca daremos passeios pelos lugares que nos conhecem e eu nunca terei um retrato teu.
Nunca saberás o que foi feito (e desfeito) de mim enquanto crescia, aquilo que me roubaram, aquilo em que me tornei, e ao que regressei. Nunca saberás de como tive a morte dentro de casa e a morte dentro do corpo, como não tive tempo de saber o que era ser cuidada, antes de desejar que nunca nenhuma mão tocasse esta pele. Nunca saberás como eu conheço tão bem a incapacidade e a paralisia, e o desejo de existir à parte do corpo. Nunca saberás como escavei um abismo à força de unhas e dentes, nele me deitei e me cobri e de terra, e um dia subi pelas suas paredes para voltar a cheirar a manhã. Eu quis voltar porque caminho desde o início dos tempos para um lugar onde tu estás.
E já não saio de casa para não ver ninguém, porque as pessoas me dizem que estou a dar cabo dos olhos. O que é normal, bem visto que a tristeza é um bicho que se traz agarrado às pálpebras e que vai comendo o olhar em redor das cavidades oculares.
E nunca saberás porque me encontraste a ler a Virginia Woolf naquele dia, nunca saberás como o que trago por dentro é um desejo inútil, uma vontade sem propósito de que a minha vida me pertença. O meu desejo é o que Sileno sabe que não se poderia desejar. O que desejo é a coragem que me falta para esse gesto de recusa, quando o estar aqui me é insuportável. Sobreviverei a todos, ironicamente. Hão-de desaparecer primeiro todas as pessoas da minha vida. E eu sobreviver-lhes-ei porque o mundo não afrouxa a sua mão sobre a minha garganta enquanto aqui estiverem. Ssobreviver-lhes-ei para que depois possa respirar finalmente. Mundo, retira a tua mão agora/para que eu possa cair de borco.




My life has been stolen from me.
I am living in a town I have no wish to live in. I am living a life I have no wish to live.
(...)

Dear Leonard...
to look life in the face,
always to look life in the face
and to know it for what it is
at last to know it
to love it for what it is...
and then
to put it away.
















e eu, que de tudo faço ferida, penso agora no Jean Genet

“na origem da beleza está unicamente a ferida, singular, diferente para cada qual, escondida ou visível, que todos os homens guardam dentro de si, preservada, e onde se refugiam ao pretenderem trocar o mundo por uma solidão temporária mas profunda.
fora de miserabilismos. a arte de Giacometti parece querer revelar essa ferida secreta dos seres e das coisas, para que ela os ilumine.”




E eu sei, eu sei que precisas desse lugar só teu, onde há uma paz possível, que precisas do conforto dessa ferida de onde retiras o pão, que precisas da luz dessa ferida a inundar uma artéria e a cobrir de algum sentido as coisas, e sei que é por isso que nunca voltas aos lugares de onde partes e que é por isso que não cheguei a ser lugar que te bastasse. Eu sei o que faltou. As palavras e o medo são as desculpas do costume. Éé certo que o amor não basta, e na maioria das vezes não, o amor não aguenta tudo, nem a ausência, mas antes de tudo isso sabe-se sempre que tudo são pretextos, que o que falha primeiro é o próprio desamor. Nunca saberás que eu nunca teria arriscado, como nunca teria dado um passo, um suspiro, teria preferido nunca arriscar o amor tal era a perfeição da tua existência em redor de tudo, tal era a certeza da devastação de perder-te dentro o mundo. Nunca saberás como eu nunca teria ido, se não viesses buscar-me. Eu conheço todos os lugares ermos do mundo, à custa de ser largada a meio do caminho de onde me vêm buscar. Sou bicho acossado, desconfiado da bondade de estranhos.
Entretanto, enquanto espero, amar-te-ei/apesar de ti, e apesar da ferida. Esse amor sobreviver-te-á e eu sobreviverei a todos os outros, porque só sei morrer onde não haja quem me veja falhar.




Não saberei nunca
dizer adeus

Afinal,
só os mortos sabem morrer

Resta ainda tudo,
só nós não podemos ser

Talvez o amor,
neste tempo,
seja ainda cedo

Não é este sossego
que eu queria,
este exílio de tudo,
esta solidão de todos

Agora
não resta de mim
o que seja meu
e quando tento
o magro invento de um sonho
todo o inferno me vem à boca

Nenhuma palavra
alcança o mundo, eu sei
Ainda assim,
escrevo

Mia Couto
Poema da despedida





Etiquetas: , , , , ,


posted by saturnine | 17:01 | 1 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



'cause i've nothing better to do






amar-te-ei
apesar de ti.














.



Etiquetas: ,


posted by saturnine | 16:29 | 6 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



A strange kind of love


Peter Murphy | A strange kind of love (press stop up there, press play down here)



you're a piece of shit.
deception is brutal.





how does it work? how do you do this to someone?




as if there was no choice. there's a moment, there's always a moment, "i can give in to this or i can resist".




i dont need things.
where will you go?
disappear.





can i still see you?
if i see you i'll never leave you.





will you hold me?




you did love me?
i'll always love you, i hate hurting you.
then why are you?
because i'm selfish.





you'll miss me. no one will ever love you as much as i do.
why isn't love enough?







Etiquetas: , , ,


posted by saturnine | 15:14 | 1 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



The sleep of reason produces monsters



Francisco Goya




(é verdade, já não fui a tempo. nunca cheguei a ensinar a pele a usar a cabeça. contra mim cada centímetro em que me fazias falta.)



Etiquetas: , ,


posted by saturnine | 01:43 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

sexta-feira, 14 de abril de 2006




silêncio, e depois.




Depois, na mesma tarde.

Quis dizer-lhe
que o amava.
Gritá-lo.
É tudo.

(...)



Marguerite Duras | É Tudo



x





Etiquetas: ,


posted by saturnine | 13:11 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



We've only words



«Se for consultar o psicanalista, confio em Deus que ele permita que se sente também ao nosso lado um dermatologista, pois sinto que tenho cicatrizes nas mãos por tocar em certas pessoas. (...) Pus-lhe a mão em cima da cabeça. Certas cabeças, certas cores, certos contactos com a pele humana deixam-me cicatrizes para sempre

J.D. Salinger
Carpinteiros, Levantem alto o Pau de Fileira




* * *



aos poucos o teu nome
foi infectando todos os nomes
de todas as coisas e o mundo
ficou todo iluminado sem cantos
escuros para me esconder
de ti.
(...)
não conheço
os lugares onde não estás.


Pedro



* * *



Pergunto-me desde quando
deixou de haver futuro
nas janelas.
Janeiro dói nos olhos
como areia
e tu e eu estamos para sempre
sentados às escuras
no Verão.


Rui Pires Cabral
Escuro




* * *



Eu gosto da tua cara contra o fundo
circunstancial, ocupas o espaço por onde a rua
se intromete, as tuas pernas magras no passeio
como as de um fantoche que só mexe os braços.

Ao canto uma árvore fazia sombra pequena
na desconversa. Estavas mais ou menos
a dizer: nenhum futuro neste sofrimento.
O teu melhor ângulo
.


Rui Pires Cabral
Eu gosto da tua cara contra o fundo




* * *



Devias saber
que é sempre tarde
que se nasce, que é
sempre cedo
que se morre. E devias
saber também
que a nenhuma árvore
é lícito escolher
o ramo onde as aves
fazem ninho e as flores
procriam.


Albano Martins



* * *



Artéria, tu tens razão

A única coisa que eu aprendi meu Deus
a sofrer a desilusão duma passagem de rua
ficar com o lado esquerdo a ajudar a falar
mas a única coisa que eu aprendi
Que um bocado de vidro inundasse de luz uma artéria
eu era um bocado de vidro que não inundasse de luz
artéria nenhuma

era uma desilusão a olhar para mim
e dizer movimento de rua
é assim movimento de rua
aí está nós cá estamos nós somos tal e qual
uma desilusão em passagem.
Tinha era ainda mais que tudo isso
um inchaço dum vidro em bocado
espetado em cima de pedra
.
Havia um estendal de desilusão a devorar-me
todo com os olhos
eu era uma continuação do meu ser.
Onde um simulacro estava a vantagem
de uma desilusão.
Eu não
eu cá.
Que um cá estamos considerasse ou não
eu não tinha nada com isso
Eu fum, eu...
Ah,
Havia é que era eu cá estamos nada disso
eu cá não eu nada eu não tinha eu não tenho
tu quê
nós consideramos.
Onde punha fum
tudo por dentro era duma urania
tudo por dentro era duma constipação palpável
pelo sentido da pedra e do bocado de vidro.
Não eu cá não vou.
Quem olha descontenta.


António Gancho



* * *



Se te pergunto o caminho, falas-me das rochas
que mortificam o dorso das montanhas
; e do ranger
da água no galope dos rios; e das nuvens que coroam
as paisagens. Contas que a noite geme nas fendas

dos penhascos porque as cidades apodrecem junto
às margens; que o vento é um chicote que desaba
os chapéus; que a terra treme; que o nevoeiro cega; e
que as casas onde o medo se extinguia na longa bainha do
vestido da mãe cederam ao peso das mágoas dentro delas.

E, se assim mesmo quero ir, dizes que os meus passos
se perderiam no comprimento das sombras – que não há
mapas para os sonhos de quem morre de amor
; e que
os ramos debruçados dos muros em ruínas rasgariam
a carne – como um sorriso rasga o tecido de um rosto.

Se não me amas, porque me avisas da dor?


Maria do Rosário Pedreira



* * *



Se partires, não me abraces – a falésia que se encosta
uma vez ao ombro do mar quer ser barco para sempre

e sonha com viagens na pele salgada das ondas.

Quando me abraças, pulsa nas minhas veias a convulsão
das marés e uma canção desprende-se da espiral dos búzios;
mas o meu sorriso tem o tamanho do medo de te perder,
porque o ar que respiras junto de mim é como um vento
a corrigir a rota do navio. Se partires, não me abraces –

o teu perfume preso à minha roupa é um lento veneno
nos dias sem ninguém – longe de ti, o corpo não faz
senão enumerar as próprias feridas
(como a falésia conta
as embarcações perdidas nos gritos do mar); e o rosto
espia os espelhos à espera de que a dor desapareça.

Se me abraçares, não partas
.


Maria do Rosário Pedreira



* * *



Se terminar este poema, partirás. Depois da
mordedura vã do meu silêncio e das pedras
que te atirei ao coração, a poesia é a última
coincidência que nos une. Enquanto escrevo

este poema, a mesma neblina que impede a
memória límpida dos sonhos e confunde os
navios ao retalharem um mar desconhecido

está dentro dos meus olhos – porque é difícil
olhar para ti neste preciso instante sabendo que
não estarias aqui se eu não escrevesse. E eu, que

continuo a amar-te em surdina com essa inércia
sóbria das montanhas, ofereço-te palavras, e não
beijos, porque o poema é o único refúgio onde
podemos repetir o lume dos antigos encontros.

Mas agora pedes-me que pare, que fique por aqui
,
que apenas escreva até ao fim mais esta página
(que, como as outras, será somente tua – esse

beijo que já não desejas dos meus lábios). E eu, que
aprendi tudo sobre as despedidas porque a saudade
nos faz adultos para sempre, sei que te perderei

em qualquer caso: se terminar o poema, partirás;
e, no entanto, se o interromper, desvanecer-se-á
a última coincidência que nos une.


Maria do Rosário Pedreira



* * *




Pudesse eu morrer hoje como tu me morreste nessa noite –
e deitar-me na terra; e ter uma cama de pedra branca e
um cobertor de estrelas; e não ouvir senão o rumor das ervas
que despontam de noite, e os passos diminutos dos insectos,
e o canto do vento nos ciprestes; e não ter medo das sombras,
nem das aves negras nos meus braços de mármore,
nem de te ter perdido – não ter medo de nada. Pudesse

eu fechar os olhos neste instante e esquecer-me de tudo –
das tuas mãos tão frias quando estendi as minhas nessa noite;
de não teres dito a única palavra que me faria salvar-te, mesmo
deixando que eu perguntasse tudo; de teres insultado a vida
e chamado pela morte para me mostrares que o teu corpo
já tinha desistido, que ias matar-te em mim e que era tarde
para eu pensar em devolver-te os dias que roubara. Pudesse

eu cair num sono gelado como o teu e deixar de sentir a dor,
a dor incomparável de te ver acordado em tudo o que escrevi

porque foi pelo poema que me amaste, o poema foi sempre
o que valeu a pena (o mais eram os gestos que não cabiam
nas mãos, os morangos a que o verão obrigou); e pudesse

eu deixar de escrever esta manhã, o dia treme na linha
dos telhados, a vida hesita tanto, e pudesse eu morrer,
mas ouço-te a respirar no meu poema.


Maria do Rosário Pedreira



* * *



"o amor aguenta tudo, mesmo a ausência."
resistirá às palavras?





Etiquetas: , ,


posted by saturnine | 12:21 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

quinta-feira, 13 de abril de 2006




Os sentimentos atrasam,
as paixões atrasam,
as instituições atrasam,
está tudo a mais, nesse demais sempre a pesar sobre a existência, ela própria uma ideia a mais >>>



(...)


Porque sou eu quem fere e destrói, parte, dá,
escolhe, decide, reparte,
e todo o corpo é inanimado,
na origem absolutamente inanimado,
e não há corpo nem espírito,
qualquer apelo errante de vida,
nada a não ser o silêncio e a morte
tuberosa da meia-noite,
revista de antes, da outra vida,
mas por agora acabou-se,
o peso caído do impossível
que pesa aí dia e noite
já não pesará mais antes de entrar
a inenarrável cacofonia
dos seres em perpétua insurreição
enfrentados por aquele que parte, dá e reparte.
Eu não reparto, eu fujo
da vida.
(...)


Antonin Artaud
Os sentimentos atrasam





Etiquetas:


posted by saturnine | 21:54 | 1 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



you're the night, lilah
(a little girl lost in the woods)



um dia prometeste que veríamos a noite escura. mas esqueceste-te e não faz mal, esquecemo-nos ambos que a noite é um lugar que se visita sempre sozinho.



Etiquetas: ,


posted by saturnine | 21:09 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



oh lord please unplug me


Oh my body has been punished.
Lord, I think I've had enough.

Oh my body has been punished
with too much and not enough.
Oh my body has been punished
and my mind can no longer bluff.
My mind is so unkind, my mind is so unkind.
It keeps me crying all the time.



...



(Will you meet me in the morning, with sun fresh on the dew?
Will you meet me in the afternoon, made just for me and you?
Will you meet me in the evening, when the nighttime starts to crawl?
Will you meet me in the hall?
Will you meet me on the wall?

Will you meet me at all?)





Etiquetas: , ,


posted by saturnine | 20:38 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

quarta-feira, 12 de abril de 2006




Spring > re-post
pensamentos soltos para o equinócio #2







© lbs 2006



here come the blue skies
here comes springtime
when the rivers run high
and the tears run dry
when everyhting that dies


shall rise

The The



Etiquetas: ,


posted by saturnine | 21:49 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



Bleu Sang










Enki Bilal | Bleu Sang





"I'll hurt you till you need me."

Richard Thompson



Etiquetas: , ,


posted by saturnine | 21:05 | 1 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



gravedigging


já devia saber que não é um bom ofício o de escavar os lugares do medo. a arqueologia pela noite não traz nenhum outro bem que não o incómodo da terra negra sob as unhas doridas. não há um lugar no mundo para mim hoje. há só uma palavra: carrion.



Etiquetas: , ,


posted by saturnine | 00:51 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



same old, same old



Enki Bilal | Bleu Sang


You don't know, so don't say you do
You don't.
You might think that things will change,
But take my word
They won't
You paint a lovely picture,
But reality intrudes
With a message for you
And it's real bad news


I was undecided like you
At first
But I could not stem the tide of overwhelm
And thirst
You try to keep it going, but a lot of avenues
Just aren't open to you
when you're real bad news

I've got love and anger
They come as a pair
You can take your chances
But buyer beware
And I won't
Make you feel bad
When I show you
This big ball of sad isn't
Worth even filling with air

And baby, let me tell you
You can get some things confused
Like whose secrets are whose
And that's real bad news
Real bad news
Real bad news


Aimee Mann | Real Bad News



Etiquetas: , , ,


posted by saturnine | 00:29 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

terça-feira, 11 de abril de 2006




April is definetely the cruelest month *


as frases de outrém:

(O amor aguenta tudo, mesmo a ausência)

...

(Sabe que todos os corpos tendem para o caminho que lhes é mais fácil (ou desimpedido) de percorrer)








_________________________________

* APRIL is the cruellest month, breeding
Lilacs out of the dead land, mixing
Memory and desire, stirring
Dull roots with spring rain.
Winter kept us warm, covering
Earth in forgetful snow, feeding
A little life with dried tubers.
(...)

T.S. Eliot





Etiquetas: ,


posted by saturnine | 19:17 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

domingo, 9 de abril de 2006




where i've been
(about nowhere)

















Etiquetas:


posted by saturnine | 22:39 | 4 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

terça-feira, 4 de abril de 2006




while you make pretty speeches
I'm being cut to shreds








© radiohead





Etiquetas: , , ,


posted by saturnine | 00:46 | 2 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

segunda-feira, 3 de abril de 2006




do inesperado crime de ter um corpo


arrancar a pele
como um orgão inútil

- mas a carne viva arde e dói -

resta o corpo
cego e paralisado
um aglomerado de medo
no coração de uma cidade devastada





Etiquetas: ,


posted by saturnine | 22:00 | 2 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

spot player special




"us people are just poems"
[ani difranco]


*

calamity.spot[at]gmail.com



~*. through the looking glass .*~




little black spot | portfolio
Baucis & Philemon | tea for two
os dias do minotauro | against demons
menina tangerina | citrus reticulata deliciosa
the woman who could not live with her faulty heart | work in progress
pale blue dot | sala de exposições
o rosto de deus | fairy tales








---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


~*. rearview mirror .*~


Maio 2003 . Junho 2003 . Julho 2003 . Agosto 2003 . Setembro 2003 . Outubro 2003 . Novembro 2003 . Dezembro 2003 . Janeiro 2004 . Fevereiro 2004 . Março 2004 . Abril 2004 . Maio 2004 . Junho 2004 . Julho 2004 . Agosto 2004 . Setembro 2004 . Outubro 2004 . Novembro 2004 . Dezembro 2004 . Janeiro 2005 . Fevereiro 2005 . Março 2005 . Abril 2005 . Maio 2005 . Junho 2005 . Julho 2005 . Agosto 2005 . Setembro 2005 . Outubro 2005 . Novembro 2005 . Dezembro 2005 . Janeiro 2006 . Fevereiro 2006 . Março 2006 . Abril 2006 . Maio 2006 . Junho 2006 . Julho 2006 . Agosto 2006 . Setembro 2006 . Outubro 2006 . Novembro 2006 . Dezembro 2006 . Janeiro 2007 . Fevereiro 2007 . Março 2007 . Abril 2007 . Maio 2007 . Junho 2007 . Julho 2007 . Agosto 2007 . Setembro 2007 . Outubro 2007 . Novembro 2007 . Dezembro 2007 . Janeiro 2008 . Fevereiro 2008 . Março 2008 . Abril 2008 . Maio 2008 . Junho 2008 . Julho 2008 . Agosto 2008 . Setembro 2008 . Outubro 2008 . Novembro 2008 . Dezembro 2008 . Janeiro 2009 . Fevereiro 2009 . Março 2009 . Abril 2009 . Maio 2009 . Junho 2009 . Julho 2009 . Agosto 2009 . Setembro 2009 . Outubro 2009 . Novembro 2009 . Dezembro 2009 . Janeiro 2010 . Fevereiro 2010 . Março 2010 . Maio 2010 . Junho 2010 . Julho 2010 . Agosto 2010 . Outubro 2010 . Novembro 2010 . Dezembro 2010 . Janeiro 2011 . Fevereiro 2011 . Março 2011 . Abril 2011 . Maio 2011 . Junho 2011 . Julho 2011 . Agosto 2011 . Setembro 2011 . Outubro 2011 . Janeiro 2012 . Fevereiro 2012 . Março 2012 . Abril 2012 . Maio 2012 . Junho 2012 . Setembro 2012 . Novembro 2012 . Dezembro 2012 . Janeiro 2013 . Janeiro 2014 .


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


~*. spying glass .*~


a balada do café triste . ágrafo . albergue dos danados . almanaque de ironias menores . a natureza do mal . animais domésticos . antologia do esquecimento . arquivo fantasma . a rute é estranha . as aranhas . as formigas . as pequenas estruturas do ócio . atelier de domesticação de demónios . atum bisnaga . auto-retrato . avatares de um desejo . baggio geodésico . bananafish . bibliotecário de Babel . bloodbeats . caixa-de-lata . casa de cacela . chafarica iconoclasta . coisa ruim . com a luz acesa . comboio de fantasmas . complicadíssima teia . corpo em excesso de velocidade . daily make-up . detective cantor . dias com árvores . dias felizes . e deus criou a mulher . e.g., i.e. . ein moment bitte . em busca da límpida medida . em escuta . estado civil . glooka . i kant, kant you? . imitation of life . isto é o que hoje é . last breath . livros são papéis pintados com tinta . loose lips sink ships . manuel falcão malzbender . mastiga e deita fora . meditação na pastelaria . menina limão . moro aqui . mundo imaginado . não tenho vida para isto . no meu vaso . no vazio da onda . o amor é um cão do inferno . o leitor sem qualidades . o assobio das árvores . paperback cell . pátio alfacinha . o polvo . o regabofe . o rosto de deus . o silêncio dos livros . os cavaleiros camponeses no ano mil no lago de paladru . os amigos de alex . Paris vs. New York . passeio alegre . pathos na polis . postcard blues . post secret . provas de contacto . respirar o mesmo ar . senhor palomar . she hangs brightly . some variations . tarte de rabanete . tempo dual . there is only 1 alice . tratado de metatísica . triciclo feliz . uma por rolo . um blog sobre kleist . vazio bonito . viajador


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


~*. the bell jar .*~



os lugares comuns: against demons . all work and no play . compêndio de vocações inúteis  .  current mood . filosofia e metafísica quotidiana . fruta esquisita menina aflita . inventário crescente de palavras mais-que-perfeitas . miles to go before I sleep . música no coração  .  música para o dia de hoje . o ponto de vista dos demónios . planos para dominar o mundo . this magic moment  .  you came on like a punch in the heart . you must believe in spring


egosfera: a infância . a minha vida dava um post . afirmações identitárias . a troubled cure for a troubled mind . april was the cruellest month . aquele canto escuro que tudo sabe . as coisas que me passam pela cabeça . fruto saturnino (conhecimento do inferno) . gotham style . mafarricar por aí . Mafia . morto amado nunca mais pára de morrer . o exílio e o reino . os diálogos imaginários . os infernos almofadados . RE: de mail . sina de mulher de bandido . the woman who could not live with her faulty heart . um lugar onde pousar a cabeça   .  correio sentimental


scriptorium: (des)considerações sobre arte . a noite . and death shall have no dominion . angularidades . bicho escala-estantes . do frio . do medo . escrever . exercícios . exercícios de anatomia . exercícios de respiração . exercícios de sobrevivência . Ítaca . lunário . mediterrânica . minimal . parágrafos mínimos . poemas . poemas mínimos . substâncias . teses, tratados e outras elocubrações quase científicas  .  um rumor no arvoredo


grandes amores: a thing of beauty is a joy forever . grandes amores . abraços . Afta . árvores . cat powa . colectânea de explicações avulsas da língua portuguesa  .  declaração de amor a um objecto . declaração de amor a uma cidade . desolação magnífica . divas e heróis . down the rabbit hole . drogas duras . drogas leves . esqueletos no armário . filmes . fotografia . geometrias . heart of darkness . ilustraçãoinício . matéria solar . mitologias . o mar . os livros . pintura . poesia . sol nascente . space is the place . the creatures inside my head . Twin Peaks . us people are just poems . verão  .  you're the night, Lilah


do quotidiano: achados imperdíveis . acidentes quotidianos e outros desastres . blogspotting . carpe diem . celebrações . declarações de emergência . diz que é uma espécie de portfolio . férias  .  greves, renúncias e outras rebeliões . isto anda tudo ligado . livro de reclamações . moleskine de viagem . níveis mínimos de suporte de vida . o existencialismo é um humanismo . só estão bem a fazer pouco


nomes: Aimee Mann . Al Berto . Albert Camus . Ana Teresa Pereira  . Bauhaus . Bismarck . Björk . Bond, James Bond . Camille Claudel . Carlos de Oliveira . Corto Maltese . Edvard Munch . Enki Bilal . Fight Club . Fiona Apple . Garfield . Giacometti . Indiana Jones . Jeff Buckley  .  Kavafis . Klimt . Kurt Halsey . Louise Bourgeois . Malcolm Lowry . Manuel de Freitas . Margaret Atwood . Marguerite Duras . Max Payne . Mia Couto . Monty Python . Nick Drake . Patrick Wolf  .  Sophia de Mello Breyner Andresen . Sylvia Plath . Tarantino . The National . Tim Burton


os outros: a natureza do mal . amigos . dedicatórias . em busca da límpida medida . retalhos e recortes



---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

...it's full of stars...


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

blogspot stats