terça-feira, 31 de agosto de 2004




... and when it rains, it pours.



'How's today, then?
Fucking bullshit is what this is.
Ah, fucking regrets.
And we do these things,
Move through this life.'



(like a torn flower
diminished by the rain
still people look up
and it keeps on raining
it keeps on pouring
dreams shattered
like darkness across
fallen petals)

posted by saturnine | 21:50 | 1 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



no mail de hoje
e o mundo obscuro das associações


________________________________________

the attention I need is much more serious
a kind of weight you couldn't lift


Red House Painters
______________________________________




Now that I've met you
would you object to
never seeing each other again
cause I can't afford to
climb aboard you
no one's got that much ego to spend

So don't work your stuff
because I've got troubles enough
no, don't pick on me
when one act of kindness could be
deathly


Aimee Mann
(Magnolia O.S.T.)



This invisible stunning flower. I'm trapped inside and I can't get out.


posted by saturnine | 21:31 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



It just keeps on raining

É mais uma vez a margem do cansaço. Um silêncio grande crescendo por dentro, desabrochando como uma flor desconhecida. O verão termina como uma espada sobre a cabeça. Poderia aprender a amar um engano, se o houvesse.

posted by saturnine | 21:13 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

segunda-feira, 30 de agosto de 2004




towards the within





We'll drive. And keep driving. Head out to the middle of nowhere. Take that road as far as it takes us. (...)
Every man, woman and child alive should see the desert one time before they die. Nothing at all for miles around. Nothing but sand or rocks or cactus, the blue sky. Not a soul in sight. No sirens. No car alarms. Nobody honking at you. No madman cursing or pissing on the streets. You find the silence out there. You find the peace. You can find God.


25th Hour

posted by saturnine | 22:25 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



sexy killer look #2
ou o magnetismo dos torturados




posted by saturnine | 18:52 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



sexy killer look
e outros aforismos











© Philippe Halsman
Magnum Photos


posted by saturnine | 13:12 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



I keep going round and round on the same old circuit.
A wire travels underground to a vacant lot.
Where something I can't see interrupts the current.
And shrinks the picture down to a tiny dot.
And from behind the screen, it can look so perfect.
But it's not.


So here im sittin in my car at the same old stop light.
I keep waiting for a change, but I don't know what.
So red turns into green, turning into yellow.
But I'm just frozen here on the same old spot.
And all I have to do is press the pedal.
But I'm not. No I'm not.

Well people are tricky,
You can't afford to show,
anything risky, anything they don't know.
The moment you try, well kiss it goodbye.

So baby kiss me like a drug, like a respirator.
And let me fall into the dream of the astrounaut.
Where I get lost in space that goes on forever.
And you make all the rest just an after thought.
And I believe it's you who could make it better.
But it's not. No it's not.



Aimee Mann | It's not
Lost in Space, 2002


__________________________________

estou semi-desfeita. por todo o lado, os corpos ardem. a própria noite está em chamas. algo em mim se parte e dói. o amor é um lugar estranho, e também eu sou estranha a este lugar na terra. algo parecido com as dores de crescimento, o corpo em aguda metamorfose. a inquietação rasga o tecido frágil que me separava do medo.

posted by saturnine | 02:35 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



o ponto de vista dos demónios #16


You look like a perfect fit
For a girl in need of a tourniquet
But can you save me
Come on and save me

If you could save me
From the ranks of the freaks
Who suspect they could never love anyone


'Cause I can tell
You know what it's like
The long farewell of the hunger strike


But can you save me
Come on and save me
If you could save me
From the ranks of the freaks
Who suspect they could never love anyone

You struck me dumb like radium
Like Peter Pan or Superman

You will come to save me
C'mon and save me
If you could save me
From the ranks of the freaks
Who suspect they could never love anyone
'Cept the freaks
Who suspect they could never love anyone
But the freaks
Who suspect they could never love anyone


C'mon and save me
Why don't you save me
If you could save me
From the ranks of the freaks
Who suspect they could never love anyone

Except the freaks
Who suspect they could never love anyone
Except the freaks who could never love anyone



Save me | Aimee Mann
Magnolia O.S.T.


_________________________________

devastada como uma cidade em ruínas. dilacerante abalroamento emocional. não, agora já não volto ao que era. não depois disto. nem a expectativa conseguiu arruinar o inesperado. e no meio dos escombros que durarão por esta noite, foi isto que me ocorreu:



é este o verde, precisamente este o verde. o verde misterioso das profundezas, terra e chão, folhas e sombras, lodo e medo, é este o verde conhecido dos demónios. e agora, de súbito, contra mim, todo o verde e todos os olhos.

posted by saturnine | 01:31 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



Things fall down. People look up. And when it rains, it pours.







we may be through with the past,
but the past ain't through with us.







posted by saturnine | 00:35 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

domingo, 29 de agosto de 2004




Magnolia




It's not what you thought
When you first began it
You got what you want
Now you can hardly stand it though
By now you know it's not
Going to stop
It's not going to stop
It's not going to stop
'Til you wise up


You're sure there's a cure
And you have finally found it
You think one drink
will shrink you 'til
you're underground and living down
But it's not going to stop
It's not going to stop
It's not going to stop
'Til you wise up


Prepare a list of what you need
Before you sign away the deed
'Cause it's not going to stop
It's not going to stop
It's not going to stop
'Til you wise up


No it's not going to stop
'Til you wise up
Now it's not going to stop
So just give up



Wise up | Aimee Mann
Magnolia O.S.T.


posted by saturnine | 23:44 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



meditação pré-nocturna



                         lunário





Poema

Tú eliges el lugar de la herida
en donde hablamos nuestro silencio.
Tú haces de mi vida
esta ceremonia demasiado pura.




Revelaciones

En la noche a tu lado
las palabras son claves, son llaves.
El deseo de morir es rey.

Que tu cuerpo sea siempre
un amado espacio de revelaciones.




El olvido

en la otra orilla de la noche
el amor es posible


— llévame —

llévame entre las dulces sustancias
que mueren cada día en tu memoria





Silencios

La muerte siempre al lado,
Escucho su decir.
Sólo me oigo.





Mendiga voz

Y aún me atrevo a amar
el sonido de la luz en una hora muerta,
el color del tiempo en un muro abandonado.

En mi mirada lo he perdido todo.
Es tan lejos pedir. Tan cerca saber que no hay.




in Los trabajos y las noches
Buenos Aires, 1965





* * *




La carencia

Yo no sé de pájaros,
no conozco la historia del fuego.
Pero creo que mi soledad debería tener alas.




La noche

Poco sé de la noche

pero la noche parece saber de mí,
y más aún, me asiste como si me quisiera,
me cubre la existencia con sus estrellas.

Tal vez la noche sea la vida y el sol la muerte.

Tal vez la noche es nada

y las conjeturas sobre ella nada
y los seres que la viven nada.
Tal vez las palabras sean lo único que existe
en el enorme vacío de los siglos
que nos arañan el alma con sus recuerdos.

Pero la noche ha de conocer la miseria
que bebe de nuestra sangre y de nuestras ideas.
Ella debe arrojar odio a nuestras miradas
sabiéndolas llenas de intereses, de desencuentros.

Pero sucede que oigo a la noche llorar en mis huesos.
Su lágrima inmensa delira
y grita que algo se fue para siempre.

Alguna vez volveremos a ser.



in Las aventuras perdidas
1958





* * *




Nuit du Coeur

Otoño en el azul de un muro: sé amparo de las pequeñas muertas.

Cada noche, en la duración de un grito, viene una sombra nueva. A solas danza la misteriosa autónoma. Comparto su miedo de animal muy joven en la primera noche de las cacerías.




Como agua sobre una piedra

a quien retorna en busca de su antiguo buscar
la noche se le cierra como agua sobre una piedra
como aire sobre un pájaro
como se cierran dos cuerpos al amarse



in Extracción de la piedra la locura
Buenos Aires, 1968)



Alejandra Pizarnik

posted by saturnine | 16:48 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



something's about to break


The tears are welling in my eyes again
I need twenty big buckets to catch them in
And twenty pretty girls to carrythem down
And twenty deep holes to bury them in


Nick Cave | Hallelujah

posted by saturnine | 15:40 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



Kimi no hitomi ni kanpai *
















* here's looking at you, kid. agora, percebo.

posted by saturnine | 14:22 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



to undress and to drink



Rafael Gallardo

posted by saturnine | 03:43 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



o ponto de vista dos demónios #15
(ou por motivo da lua cheia)


«O choque da morte de Harriet quase irrompera pela morada dos demónios de Edgar. Havia já muitos anos que estes lhes eram poupados, embora estivesse constantemente consciente da sua presença continuada. Conseguia ouvi-los, por assim dizer, deslocando-se atrás da parede. Pertenciam-lhe e, sem dúvida, iriam com ele para a sepultura. O seu espírito, tal como o de David, corria de forma irresistível para o horror. Observava a própria mente como se faz com um cão mau, dava-lhe um pequeno puxão e esperava que a calma regressasse.»

A máquina do amor sagrado e profano
Iris Mudoch

posted by saturnine | 02:22 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



o ponto de vista dos demónios #14

é ímpossível suportar a solidão do quarto infestado de demónios. ensaio a tentativa do descanso como quem corta à faca através do mato. a escuridão é absoluta, mas eu consigo ver esses milhares de olhos que me esperam, atentos, à entrada da porta. as vozes soam, internas, como guinchos de animais acossados. há, por vezes, silêncios tão estilhaçados e ruidosos.

posted by saturnine | 02:07 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

sábado, 28 de agosto de 2004




o ponto de vista dos demónios #13
(ou da natureza das feridas)


Ciente da enfermidade, o que eu esperava era uma cura milagrosa, um remédio para a verdade, tão inútil e desconcertada. O que eu não estava era preparada para ver. E, hoje sei-o, estes anos serviram-me só para que aprendesse a morrer - porque o amor, esse estava perdido já desde o primeiro momento. Mas porque dói e porque arde e porque se desmancha o corpo inteiro?


A cura dos enfermos depende de uma coisa: as plantas medicinais necessitam ser ingeridas ou postas sobre o corpo. Então o enfermo deve decidir: estou capaz de beber? Estou capaz de me despir? *


Se a certas coisas cheguei sempre tarde demais, outras inquestionavelmente chegaram-me demasiado cedo. E eu não queria, ou não podia compreender. Não bebi, nem me despi. Mantive-me enferma à espera que outra coisa viesse. O que veio foi, afinal, uma pequena morte. Mas eu acredito no alimento das cinzas.


Há quem não queira ser curado. Há quem não esteja ainda no ponto de ser curado. Acho que a doença tem um lado de privilégio: obriga-nos a encarnar, obriga-nos ao exercício do corpo. A sentir o corpo. *


Agora, que estou aqui, entrando a correr na noite escura, dispo-me e deito-me sobre o chão purificado pelo fogo, e contraponho a minha nudez ao silêncio do firmamento. Há uma mão que por vezes se estende, e eu aguardo o bálsamo para as velhas feridas. Agora, só quero o que vier depois. A consciência da terra basta-me, para já, para existir.


________________________________


* Saravá Xangô me mandou lhe dizer
Se é canto de Ossanha, não vá
Que muito vai se arrepender
Pergunte pro seu Orixá
Amor só é bom se doer

Baden Powell e Vinicius de Moraes


posted by saturnine | 22:03 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



the wrong man (who) gave her the right feelings #3

«Há assuntos sobre os quais baixa um saudável pudor e cujo tratamento desabrido pode ferir de morte.»

my moleskine


vou ser imprudente só mais uma vez. cada homem tem dentro de si um labirinto como o de um minotauro. e se o peito dói e arde é porque tem consciência do exílio que o habita. mas é possível viver assim, com um deserto inteiro sob a pele, e não sucumbir ao desencontro. fazer do próprio engano um lugar distante. acima de tudo, valorizar a prudência. evitar a todo o custo os assuntos que excitam as feridas. é verdade que o próprio verão pode estar em ruínas, mas quase tão certo é que outros virão. não duvido que, em certas noites, estejamos em silêncio a escutar os mesmos assombros.

posted by saturnine | 21:42 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



I am the alpha and the omega


M17 - Omega Nebula


(não preciso do teste. eu já sei.
my blog is my life is my life.)


posted by saturnine | 21:30 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



...



The moon sees nothing of this. She is bald and wild.
And the message of the yew tree is blackness - blackness and silence.

Sylvia Plath

posted by saturnine | 01:05 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



absolute black mamba mood



__________________________________________

black mamba

yo unbreakable steel sword swingin', face the Black Mamba
deadly Vipers, squeeze ya life out like anacondas
in the story, off wit ya head, the scene is gory
single-edged steel blade made by Hattori
Hanzo, you see the signature of brother Han' though?
try to strike out, you get ya arm dismantled
chief of the Yakuza's wicked like Medusa
with Crazy 88's too, 'bout to meet ya maker

black mamba

__________________________________________







little black and yellow spot.

posted by saturnine | 00:39 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

sexta-feira, 27 de agosto de 2004




chanson pour la nuit | dave holland


if strangers meet
life begins-
not poor not rich
(only aware)
kind neither
nor cruel
(only complete)
i not not you
not possible;
only truthful
-truthfully,once
if strangers(who
deep our most are
selves)touch:
forever

(and so to dark)


E.E. Cummings | If strangers meet


posted by saturnine | 23:24 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



retalhos & recortes: edição especial



a cicatriz
não passa, queima, é funda, oblitera.

Mas penso que é possível ser feliz
sem estar a vida toda à tua espera.




_____________________________________

Por isso é que te peço: vê se chove
na rua, no telheiro, no jardim.
Bem sabes que essa dor não me comove.
O que te dói já não me dói a mim.

______________________________________



(Mas lá no fundo

eu quero é que tu cresças
e que o adeus te custe e que não esqueças.)



e que o adeus te custe e que não esqueças




e
que

o adeus



                            te custe

                            e que não esqueças






_______________________________
esquartejei (mais) um poema. desculpa-me, jcb.




posted by saturnine | 20:55 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



o ponto de vista dos demónios #11.1
(ou como quem diz)


Conheço o argumento: vem nos livros.
Morreste, ias morrer - que espalhafato...
E afinal ainda estamos vivos:
o amor matou-nos em sentido lato.

É claro que a sinto: a cicatriz
não passa, queima, é funda, oblitera.
Mas penso que é possível ser feliz
sem estar a vida toda à tua espera.

Por isso é que te peço: vê se chove
na rua, no telheiro, no jardim.
Bem sabes que essa dor não me comove.
O que te dói já não me dói a mim.

(Mas lá no fundo eu quero é que tu cresças
e que o adeus te custe e que não esqueças.)



jcb | um pouco mais de sul


_____________________________
e não há uma única palavra que eu possa sublinhar, todas igualmente agudas, pungentes, incisivas, necessárias.

posted by saturnine | 20:42 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



My Favorite Things



Raindrops on roses and whiskers on kittens
Bright copper kettles and warm woolen mittens
Brown paper packages tied up with strings
These are a few of my favorite things

Cream colored ponies and crisp apple streudels
Doorbells and sleigh bells and schnitzel with noodles
Wild geese that fly with the moon on their wings
These are a few of my favorite things

Girls in white dresses with blue satin sashes
Snowflakes that stay on my nose and eyelashes
Silver white winters that melt into springs
These are a few of my favorite things

When the dog bites
When the bee stings
When I'm feeling sad
I simply remember my favorite things
And then I don't feel so bad




.....................................................

Björk @ pale blue dot






Etiquetas: ,


posted by saturnine | 18:19 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



o ponto de vista dos demónios #12



Anunciação | Tintoretto


«O estranho sentimento de demolição do mundo persistia, como se um tonado tivesse derrubado tudo para um dos lados, deixando entrar uma espécie de luminosidade branca.»

A máquina do amor sagrado e profano
Iris Mudoch

posted by saturnine | 16:22 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



meaningfulness #4


The Crab Nebula

This picture shows a Hubble Space Telescope image of the inner parts of the Crab. The pulsar* itself is visible as the left of the pair of stars near the center of the frame.


________________________________
* pulsar: in astronomy, a neutron star that emits brief, sharp pulses of energy instead of the steady radiation associated with other natural sources.

© NASA/ESA

posted by saturnine | 15:47 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



o ponto de vista dos demónios #11

fazer de conta que é esta a minha vida, que nunca houve nada antes disto. fazer de conta que és só memória de um sonho vago, dispersa pela claridade da manhã.

posted by saturnine | 15:42 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



     ~*&
oº(O.O)oºº




© www.garfield.com

posted by saturnine | 15:23 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



the wrong man (who) gave her the right feelings #2






Why did I dream of you last night?
Now morning is pushing back hair with grey light
Memories strike home, like slaps in the face;
Raised on elbow, I stare at the pale fog
beyond the window.

So many things I had thought forgotten
Return to my mind with stranger pain:
- Like letters that arrive addressed to someone
Who left the house so many years ago.


Philip Larkin
Why did I dream of you last night?


posted by saturnine | 01:54 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



the wrong man (who) gave her the right feelings

há muitas noites que procuro o que te dizer, é como estar aqui a tecer a própria escuridão com o fio das palavras, e se não sei ainda se não seria preferível o silêncio, é porque a noite pode ser longa e as horas favoráveis ao medo.

pois eu digo-te - a noite é longa e as horas são favoráveis ao medo, mas é imprescindível que não sucumbamos aos enganos e jamais acreditemos nas doces mentiras matutinas.

posted by saturnine | 01:33 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



(observatório)

tu, que conhecias a linguagem da terra e trazias os bálsamos para os corpos enfermos, agora regressaste, e só interrompes o silêncio o bastante para que as palavras respirem, mas hoje, hoje deitamo-nos neste chão (de urtigas, seja) e contemplamos o indizível firmamento.

posted by saturnine | 00:42 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



meaningfulness #3



once a black spot, always a black spot.

posted by saturnine | 00:21 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

quinta-feira, 26 de agosto de 2004




meanignfulness #2


Emission Nebula IC 1396



The Elephant's Trunk in IC 1396


An Orion of a Different Color


A Cygnus Starfield


___________________________
recordo-me de uma sensanção que experimentava (não apenas eu) nos primeiros tempos após a chegada à blogoesfera: o paraíso dos links, ir saltitando de blog em blog, de link em link, em cada um descobrindo outro, como se vagueando por uma floresta encantada, de árvore em árvore, até perder de vista o caminho percorrido.

agora recordo esse encanto ingénuo, esse entusiasmo da descoberta, levemente sôfrego, aqui. se é em busca de sentido que vou, não sei. perante isto, o puro hedonismo da contemplação, bem pode ir para as urtigas a metafísia (Nietzsche tinha razão). saltitando de imagem em imagem, habito agora uma floresta encantda de mistérios cósmicos.

posted by saturnine | 21:48 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



meaningfulness

«(...) comecei por querer tudo e tenho-me contentado, bem não me contentei um segundo sequer, aguento o muito pouco que recebo, a parcela ínfima e reles do que tiveste coragem de me oferecer em troca da minha vida inteira. Pois, é, sou muito estúpida. Sou uma mulher estúpida, uma pedra à volta do teu pescoço e por aí fora.»

* * *

«Podia ser perfeitamente verdade que não há um sentido profundo nas coisas, que nada, nem ninguém, possui verdadeira dignidade ou mérito, que "o mundo" é apenas confusão, um escombro e um sonho, mas não seria um embuste supremo fazer com que esta auência de sentido parecesse constituir a própria essência do nosso ser?»



A máquina do amor sagrado e profano
Iris Mudoch


posted by saturnine | 21:44 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------



Ziggy Stardust






and the Sipders from Mars





posted by saturnine | 11:10 | 0 Comentários


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

spot player special




"us people are just poems"
[ani difranco]


*

calamity.spot[at]gmail.com



~*. through the looking glass .*~




little black spot | portfolio
Baucis & Philemon | tea for two
os dias do minotauro | against demons
menina tangerina | citrus reticulata deliciosa
the woman who could not live with her faulty heart | work in progress
pale blue dot | sala de exposições
o rosto de deus | fairy tales








---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


~*. rearview mirror .*~


Maio 2003 . Junho 2003 . Julho 2003 . Agosto 2003 . Setembro 2003 . Outubro 2003 . Novembro 2003 . Dezembro 2003 . Janeiro 2004 . Fevereiro 2004 . Março 2004 . Abril 2004 . Maio 2004 . Junho 2004 . Julho 2004 . Agosto 2004 . Setembro 2004 . Outubro 2004 . Novembro 2004 . Dezembro 2004 . Janeiro 2005 . Fevereiro 2005 . Março 2005 . Abril 2005 . Maio 2005 . Junho 2005 . Julho 2005 . Agosto 2005 . Setembro 2005 . Outubro 2005 . Novembro 2005 . Dezembro 2005 . Janeiro 2006 . Fevereiro 2006 . Março 2006 . Abril 2006 . Maio 2006 . Junho 2006 . Julho 2006 . Agosto 2006 . Setembro 2006 . Outubro 2006 . Novembro 2006 . Dezembro 2006 . Janeiro 2007 . Fevereiro 2007 . Março 2007 . Abril 2007 . Maio 2007 . Junho 2007 . Julho 2007 . Agosto 2007 . Setembro 2007 . Outubro 2007 . Novembro 2007 . Dezembro 2007 . Janeiro 2008 . Fevereiro 2008 . Março 2008 . Abril 2008 . Maio 2008 . Junho 2008 . Julho 2008 . Agosto 2008 . Setembro 2008 . Outubro 2008 . Novembro 2008 . Dezembro 2008 . Janeiro 2009 . Fevereiro 2009 . Março 2009 . Abril 2009 . Maio 2009 . Junho 2009 . Julho 2009 . Agosto 2009 . Setembro 2009 . Outubro 2009 . Novembro 2009 . Dezembro 2009 . Janeiro 2010 . Fevereiro 2010 . Março 2010 . Maio 2010 . Junho 2010 . Julho 2010 . Agosto 2010 . Outubro 2010 . Novembro 2010 . Dezembro 2010 . Janeiro 2011 . Fevereiro 2011 . Março 2011 . Abril 2011 . Maio 2011 . Junho 2011 . Julho 2011 . Agosto 2011 . Setembro 2011 . Outubro 2011 . Janeiro 2012 . Fevereiro 2012 . Março 2012 . Abril 2012 . Maio 2012 . Junho 2012 . Setembro 2012 . Novembro 2012 . Dezembro 2012 . Janeiro 2013 . Janeiro 2014 .


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


~*. spying glass .*~


a balada do café triste . ágrafo . albergue dos danados . almanaque de ironias menores . a natureza do mal . animais domésticos . antologia do esquecimento . arquivo fantasma . a rute é estranha . as aranhas . as formigas . as pequenas estruturas do ócio . atelier de domesticação de demónios . atum bisnaga . auto-retrato . avatares de um desejo . baggio geodésico . bananafish . bibliotecário de Babel . bloodbeats . caixa-de-lata . casa de cacela . chafarica iconoclasta . coisa ruim . com a luz acesa . comboio de fantasmas . complicadíssima teia . corpo em excesso de velocidade . daily make-up . detective cantor . dias com árvores . dias felizes . e deus criou a mulher . e.g., i.e. . ein moment bitte . em busca da límpida medida . em escuta . estado civil . glooka . i kant, kant you? . imitation of life . isto é o que hoje é . last breath . livros são papéis pintados com tinta . loose lips sink ships . manuel falcão malzbender . mastiga e deita fora . meditação na pastelaria . menina limão . moro aqui . mundo imaginado . não tenho vida para isto . no meu vaso . no vazio da onda . o amor é um cão do inferno . o leitor sem qualidades . o assobio das árvores . paperback cell . pátio alfacinha . o polvo . o regabofe . o rosto de deus . o silêncio dos livros . os cavaleiros camponeses no ano mil no lago de paladru . os amigos de alex . Paris vs. New York . passeio alegre . pathos na polis . postcard blues . post secret . provas de contacto . respirar o mesmo ar . senhor palomar . she hangs brightly . some variations . tarte de rabanete . tempo dual . there is only 1 alice . tratado de metatísica . triciclo feliz . uma por rolo . um blog sobre kleist . vazio bonito . viajador


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


~*. the bell jar .*~



os lugares comuns: against demons . all work and no play . compêndio de vocações inúteis  .  current mood . filosofia e metafísica quotidiana . fruta esquisita menina aflita . inventário crescente de palavras mais-que-perfeitas . miles to go before I sleep . música no coração  .  música para o dia de hoje . o ponto de vista dos demónios . planos para dominar o mundo . this magic moment  .  you came on like a punch in the heart . you must believe in spring


egosfera: a infância . a minha vida dava um post . afirmações identitárias . a troubled cure for a troubled mind . april was the cruellest month . aquele canto escuro que tudo sabe . as coisas que me passam pela cabeça . fruto saturnino (conhecimento do inferno) . gotham style . mafarricar por aí . Mafia . morto amado nunca mais pára de morrer . o exílio e o reino . os diálogos imaginários . os infernos almofadados . RE: de mail . sina de mulher de bandido . the woman who could not live with her faulty heart . um lugar onde pousar a cabeça   .  correio sentimental


scriptorium: (des)considerações sobre arte . a noite . and death shall have no dominion . angularidades . bicho escala-estantes . do frio . do medo . escrever . exercícios . exercícios de anatomia . exercícios de respiração . exercícios de sobrevivência . Ítaca . lunário . mediterrânica . minimal . parágrafos mínimos . poemas . poemas mínimos . substâncias . teses, tratados e outras elocubrações quase científicas  .  um rumor no arvoredo


grandes amores: a thing of beauty is a joy forever . grandes amores . abraços . Afta . árvores . cat powa . colectânea de explicações avulsas da língua portuguesa  .  declaração de amor a um objecto . declaração de amor a uma cidade . desolação magnífica . divas e heróis . down the rabbit hole . drogas duras . drogas leves . esqueletos no armário . filmes . fotografia . geometrias . heart of darkness . ilustraçãoinício . matéria solar . mitologias . o mar . os livros . pintura . poesia . sol nascente . space is the place . the creatures inside my head . Twin Peaks . us people are just poems . verão  .  you're the night, Lilah


do quotidiano: achados imperdíveis . acidentes quotidianos e outros desastres . blogspotting . carpe diem . celebrações . declarações de emergência . diz que é uma espécie de portfolio . férias  .  greves, renúncias e outras rebeliões . isto anda tudo ligado . livro de reclamações . moleskine de viagem . níveis mínimos de suporte de vida . o existencialismo é um humanismo . só estão bem a fazer pouco


nomes: Aimee Mann . Al Berto . Albert Camus . Ana Teresa Pereira  . Bauhaus . Bismarck . Björk . Bond, James Bond . Camille Claudel . Carlos de Oliveira . Corto Maltese . Edvard Munch . Enki Bilal . Fight Club . Fiona Apple . Garfield . Giacometti . Indiana Jones . Jeff Buckley  .  Kavafis . Klimt . Kurt Halsey . Louise Bourgeois . Malcolm Lowry . Manuel de Freitas . Margaret Atwood . Marguerite Duras . Max Payne . Mia Couto . Monty Python . Nick Drake . Patrick Wolf  .  Sophia de Mello Breyner Andresen . Sylvia Plath . Tarantino . The National . Tim Burton


os outros: a natureza do mal . amigos . dedicatórias . em busca da límpida medida . retalhos e recortes



---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

...it's full of stars...


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

blogspot stats